Aos 21 anos, Kylian Mbappé já é campeão do mundo, mas seu desejo de representar a França é insaciável. Em entrevista à France Football, que o elegeu o melhor jogador francês de 2019, afirmou que gostaria de disputar os Jogos de Tóquio e a Eurocopa ano que vem. E, se não der, participar de Paris, em 2024, porque sonha em fazer parte de pelo menos uma Olimpíada.

Ele deixou claro, porém, que ainda não falou com Leonardo, diretor do PSG, e que garantiu a Didier Deschamps, treinador da França, que não disputaria os Jogos às custas da Eurocopa. “É claro que quero ir, mas se meu clube, que é meu empregador, não quiser que eu vá, não entrarei em conflito. Em breve, falaremos sobre isso. Eu tranquilizei Deschamps dizendo também queria competir na Euro. Se eu conseguir ir para lá em 2020, terei 2024, em Paris, porque realmente gostaria de jogar as Olimpíadas pelo menos uma vez na minha carreira”, disse.

Mbappé comentou a sua disputa com Lionel Messi pela Chuteira de Ouro da temporada 2018/19, prêmio dado ao principal artilheiro das ligas europeias – com pesos diferentes de acordo com a dificuldade dos torneios. No fim, o francês ficou três gols atrás de Lionel Messi, que ganhou o troféu pela sexta vez na carreira. “Eu tentei me superar. Percebi que poderia tentar buscar esse título de melhor marcador europeu. Mas havia um concorrente: Messi. Eu fazia dois gols, ele fazia três. Eu fazia três, ele fazia quatro. Foi tão louco que eu conversei com Ousmane (Démbélé, jogador do Barcelona): ‘Não é possível, ele faz de propósito? Ele olha para o número de gols que marquei’. ‘Claro que ele está olhando para você!’. Eu disse para mim mesmo: ‘Messi está me observando’. É lisonjeiro ver que esse jogador não o ignora”, afirmou.

Ele também entrou no assunto Neymar, refutando qualquer rivalidade com o companheiro de time, mesmo depois de ganhar um status maior com o título da Copa do Mundo. “Quando cheguei, não houve debate. Ele era a estrela, a quem eu vim ajudar um pouco. Ele se machucou, perdeu a Copa e eu a ganhei. E começam a surgir histórias sobre nossa suposta rivalidade, minha disposição de tomar seu lugar. Fiquei chocado ao ouvir tudo isso. Quando voltei, em agosto de 2018, a primeira coisa que fiz foi dizer a Ney: ‘Você pode ter perdido a Copa do Mundo, e melhor para nós, mas não se preocupe. Vou disputar a Bola de Ouro este ano porque você não está na briga, mas garanto que não quero ocupar seu lugar. Você pode ficar com ele. Estou aqui sempre para ajudá-lo'”, contou.