Materazzi sobre quando agrediu Balotelli: “Eu o amo, mas ele mereceu naquele dia”

Depois da vitória por 3 a 1 sobre o Barcelona no San Siro, jogo de ida das semifinais da Champions League de 2009/10, Mario Balotelli, vaiado, atirou a camisa da Internazionale no chão. Marco Materazzi não gostou. Nem um pouco. Em suas palavras, deu uma “boa surra” no atacante italiano nos vestiários, como admitiu em conversa com um chef italiano no Instagram – em tempos de pandemia, as fontes estão mais diversificadas.

[foo_related_posts]

“Eu lhe dei uma boa surra, é verdade. Eu amo Mario, mas ele realmente mereceu naquele dia. Nós nos tornamos amigos agora, praticamente irmãos, mas ele fez algo naquele dia que não deveria ter feito”, afirmou. “Atirar a camisa no chão após o apito final não foi a pior parte. Antes do jogo, no ônibus, ele nos disse: ‘hoje eu vou jogar mal’, então eu prometi que o faria pagar se o fizesse. Quando ele saiu do banco, tentou um chute do meio-campo em vez de buscar o contra-ataque. Diego Milito queria matá-lo”.

Apesar dos problemas, Materazzi afirmou que o elenco da Inter acreditava em Balotelli e que ele, pessoalmente, gostava do pai do então jovem atacante. “Depois de um jogo, ele disse a Mario: ‘Não gostei da sua exibição. Você tem que jogar mais para seus companheiros e parar de sair com garotas’. Que ídolo! Ele marcava muitos gols e contribuía para a vitória, mas uma semana depois daquilo, eu pedi a Mourinho que me colocasse contra Balotelli no treino. Depois de alguns segundos, eu o enviei de volta ao vestiário”, contou.

Uma das cenas mais marcantes de sua carreira foi o abraço emocionado com José Mourinho após a conquista da Tríplice Coroa em 2010. O português estava de saída para o Real Madrid. “Ninguém se compara a Mourinho quando o assunto é criar empatia e conexão com os jogadores. Além disso, ele é espertinho. Ele tem sofrido para ganhar recentemente. O Tottenham tem um time jovem e forte, espero que ele consiga voltar a vencer”, encerrou.