A terça-feira teve mais uma rodada repleta de jogos pelas Eliminatórias da Euro 2020. Várias seleções importantes jogaram, mas a verdade é que poucas partidas realmente se destacaram pela competitividade. A Itália foi quem mais suou a camisa, também por fazer um encontro difícil contra a Bósnia. Ganhou por 2 a 1, em show de Lorenzo Insigne. A Alemanha mostrou uma fome de gols impressionante nos 8 a 0 sobre a Estônia, enquanto a França nem precisou acelerar para fazer o resultado contra Andorra. A Bélgica, que poderia ter certo trabalho diante da Escócia, não tomou conhecimento. Menção honrosa ainda para os resultados positivos de Finlândia e Hungria, que esboçam a classificação, enquanto a Islândia se deu melhor na queda de braço com a Turquia. Abaixo, um resumão do dia:

Grupo C: Alemanha trucida, mas não é líder

Em uma rodada de goleadas, ninguém conseguiu ser melhor que a Alemanha nas Eliminatórias da Euro. Os germânicos foram completamente impiedosos contra a Estônia em Mainz: 8 a 0 no placar, em resultado que parece até barato pela dominância dos anfitriões. Os gols saíam com uma facilidade imensa, sobretudo pela atuação inspirada dos homens de frente. Marco Reus se sobressaiu com dois gols, incluindo uma pintura cobrando falta. Serge Gnabry também balançou as redes duas vezes e Leroy Sané só não assinalou dois porque um deles foi mal anulado pela arbitragem. Leon Goretzka, Ilkay Gündogan e o substituto Timo Werner deixaram os seus.

A Alemanha, ainda assim, não lidera o Grupo C. A ponta é da Irlanda do Norte, que aproveita as circunstâncias e permanece com 100% de aproveitamento. Os norte-irlandeses pegaram apenas os sacos de pancadas da chave até o momento, com quatro vitórias em quatro partidas contra Belarus e Estônia. Nesta terça-feira, a equipe fez o básico, com o triunfo por 1 a 0 sobre os bielorrussos em Borisov. Paddy McNair definiu a contagem aos 41 do segundo tempo, numa linda jogada individual.

A Irlanda do Norte soma 12 pontos, contra nove da Alemanha, que fez um jogo a menos. A chave é influenciada pela campanha da Holanda na Liga das Nações. Com duas partidas a menos que os líderes, a Oranje tem somente três pontos e precisará correr atrás do prejuízo. Estônia e Belarus permanecem zerados.

Grupo E: Hungria conquista uma vitória imensa

A Hungria dá um passo à frente para retornar à Eurocopa. Em uma chave embolada, os magiares conquistaram sua terceira vitória e assumiram a liderança. Desta vez, num resultado de peso: bateram Gales por 1 a 0 em Budapeste. O gol veio a dez minutos do fim, assinalado por Mate Pátkai, num lance brigado. Mais cedo, a Eslováquia tinha feito a sua parte. Massacrou o Azerbaijão por 5 a 1 em Baku. Marek Hamsik balançou as redes duas vezes, enquanto Stanislav Lobotka, Juraj Kucka e Dávid Hancko também contribuíram ao resultado. Foi um triunfo de gols particularmente bonitos dos eslovacos, entre finalizações cirúrgicas e boas trocas de passes.

A Hungria é o único time com quatro partidas. Soma nove pontos. Os demais entraram em campo três vezes. Eslováquia e a “folguista” Croácia têm seis pontos. Já Gales aparece em uma situação mais delicada, com três pontos. O Azerbaijão é o único zerado.

Grupo H: Tudo embolado, graças à Islândia

O duelo entre Islândia e Turquia gerou um entrave diplomático. Os jogadores turcos declararam que foram maltratados durante o desembarque no país, algo desmentido pelas autoridades islandesas. O porta-voz do presidente Recep Tayyip Erdogan afirmou que seus compatriotas dariam a resposta em campo, o que não foi bem o caso. Os nórdicos garantiram a vitória por 2 a 1 em Reykjavík. O zagueiro Ragnar Sigurdsson anotou os dois gols, ambos em bolas alçadas na área. Os turcos descontaram com Dorukhan Toköz, também de cabeça. Já a França se recuperou no protocolar duelo com Andorra, fora de casa. Goleada por 4 a 0, com tentos de Kylian Mbappé, Wissam Ben Yedder, Florian Thauvin e Kurt Zouma. O brilho ficou por conta do belíssimo voleio de Thauvin, no tento mais bonito da rodada.

Tudo embolado por enquanto. França, Turquia e Islândia têm nove pontos, com quatro partidas disputadas por cada. Os Bleus levam a melhor no saldo do confronto direto. Mais abaixo, a Albânia é quem corre por fora. Chegou aos seis pontos, batendo a Moldávia por 2 a 0. Sokol Cikalleshi e Ylber Ramadani possibilitaram o placar em Elbasan.

Grupo I: A Bélgica sobra de novo

A Bélgica nem precisou se esforçar tanto para derrotar a Escócia e permanecer na ponta do Grupo I. Os craques apareceram durante a vitória por 3 a 0 em Bruxelas, sobretudo quando o esquema defensivo escocês sucumbiu. Romelu Lukaku abriu o placar no final do primeiro tempo, com uma cabeçada, e ampliou a diferença após o intervalo, ao aproveitar um rebote. Já nos instantes derradeiros, Kevin de Bruyne acertou um chute cirúrgico da entrada da área. A segunda colocação é da Rússia, mais econômica desta vez. Aleksei Ionov garantiu o 1 a 0 magro sobre o Chipre. E o Cazaquistão conquistou sua segunda vitória, fazendo 4 a 0 em San Marino.

A Bélgica venceu todos os seus jogos até o momento, com 12 pontos. A Rússia tem nove, sem sentir grande ameaça de quem vem de trás. Escócia e Cazaquistão somam seis cada, enquanto o Chipre possui três.

Grupo J: Olho também na Finlândia

A Itália faz uma campanha impecável nas Eliminatórias da Euro. Até chegou a tomar um susto contra a Bósnia em Turim, quando Edin Dzeko abriu o placar, mas Lorenzo Insigne comandou a virada por 2 a 1. Os interesses na chave, de qualquer maneira, recaem sobre a Finlândia. Campeã de seu grupo na Liga das Nações, a equipe também faz ótimo papel neste início de campanha. Os finlandeses chegaram à terceira vitória. Superaram Liechtenstein por 2 a 0, Teemu Pukki foi oportunista para abrir a contagem em Vaduz, enquanto o segundo veio com Benjamin Källman, completando uma arrancada fantástica de Lassi Lappalainen.

Por fim, o resultado mais surpreendente na terça foi registrado pela Armênia. A Grécia perdeu mais uma em Atenas, desta vez por 3 a 2. Aleksandre Karapetian e Gevorg Ghazaryan deixaram os armênios em boa vantagem no primeiro tempo. Zeca até descontou na etapa complementar, mas Tigran Barseghyan retomou a diferença e Kostas Fortounis só voltou a descontar nos instantes finais. Detalhe é que os cinco tentos tiveram origem em jogadas com dribles. Fortounis foi quem mais caprichou, passando por quatro e mais o goleiro até marcar.

A Itália lidera com 12 pontos, seguida pela Finlândia, com nove. Armênia tenta se aproximar com seis, enquanto Grécia e Bósnia fazem papéis modestos, com quatro pontos cada. Liechtenstein ainda não pontuou.