A vitória do Athletico Paranaense sobre o Boca Juniors por 3 a 0 teve um grande personagem: Marco Ruben. O centroavante do Furacão, de 32 anos, é uma figura conhecida no cenário argentino. É ídolo do Rosario Central, clube que se formou como jogador em 2004 e que teve uma segunda passagem de 2015 a 2016. Experiente, jogou no River Plate em 2007 e passou também pelo futebol europeu, mas sem marcar época em nenhum clube. Jogou sem brilho por Villarreal, Recreativo, Dynamo Kiev e Évian antes de voltar à América Latina em 2014 para defender o Tigres, do México. Em 2019, chegou ao Athletico Paranaense para preencher a lacuna deixada por Pablo, que foi para o São Paulo. E já marcou quatro gols na Libertadores em três jogos.

A vitória fez o Athletico chegar a seis pontos em três jogos. Depois de perder na estreia para o Tolima, fora de casa, por 1 a 0, venceu o Jorge Wilstermann por goleada por 4 a 0, em casa, e venceu novamente nesta quarta, desta vez contra o Boca Juniors. Com isso, o time brasileiro é líder, deixando para trás o Boca, com quatro pontos. Tolima e Jorge Wilstermann se enfrentam na Colômbia ainda nesta quinta-feira. O Tolima tem três pontos, enquanto o Jorge Wilstermann tem um ponto.

“A recordação será pela vida toda”, afirmou Marco Ruben, depois do jogo em que marcou os três gols do Athletico Paranaense sobre o Boca Juniors, na vitória por 3 a 0. Foi a terceira vez que Ruben marcou três gols em uma partida na sua carreira. Levou a bola para casa, que será um presente para os filhos. “É bom para mim porque meus filhos ainda não tinham no Brasil”, declarou o jogador.

“A equipe jogou uma partida difícil da melhor maneira e por sorte marcamos a diferença desde o resultado. Sabíamos que esta era a partida chave para ficarmos mais tranquilos na tabela e conseguimos. Vamos continuar assim e achamos que vamos nos classificar às oitavas”, disse o atacante, de 32 anos.

“O segundo tempo esteve equilibrado, a realidade é que o Boca começou muito bem, ficou com a bola e criou situações”, disse ainda Ruben. Apesar disso, foi no segundo tempo que o Athletico conseguiu dois gols, aumentando a vantagem para 3 a 0. “O gol nos deu tranquilidade e depois acabou com o jogo”, analisou o centroavante.

Para Ruben, a atuação do Athletico não foi uma surpresa, mas a diferença de gols para o Boca foi. “Pensar em uma partida com três gols de vantagem seria difícil, o que planejamos foi uma partida com conhecimento do adversário. Queríamos fazer o nosso jogo, planejamos dessa maneira e nos sobrepusemos. Por sorte, fizemos o gol, jogamos tranquilos e fizemos uma partida à perfeição. Deu tudo certo”, afirmou o ex-jogador do Rosario Central.

Sem jogar o Campeonato Paranaense com o seu time principal, o Athletico descansa até a próxima rodada da Libertadores, na terça, dia 9 de abril, quando recebe o Tolima na Arena da Baixada – seu último jogo no seu estádio na fase de grupos. Se vencer, fica muito perto da classificação. Depois, nas rodadas finais, o Athletico vai primeiro até a Bolívia enfrentar o Jorge Wilstermann no dia 24 de abril e fecha fase de grupos na Bombonera, contra o Boca Juniors, no dia 9 de maio.