Maradona: “O futebol argentino está quebrado, Grondona o levou para o túmulo”

Sempre afiado nas palavras, Maradona falou sobre o temor sobre o futebol argentino e seus problemas até com a Fifa

Problemas não faltam ao futebol argentino. Em meio ao caos na AFA (Asociación del Fútbol Argentino), o Campeonato Argentino está ameaçado de não voltar na data programada, dia 3 de março. Há o risco até de suspensão da Argentina pela Fifa, que, embora improvável, é tratada por Diego Maradona como uma ameaça real. O ídolo albiceleste fez duras críticas ao futebol argentino e à sua organização.

LEIA TAMBÉM: Macri critica dirigentes do futebol argentino e AFA ainda não tem TV para transmitir liga

Maradona não acredita que o Campeonato Argentino seja retomado no próximo dia 3 de março, como programado, por culpa dos dirigentes. “As reuniões que [os dirigentes] não servem para nada”, disse Maradona. O ex-treinador da seleção também comentou as disputas internas na AFA. “Eles estão mais preocupados com qual benefício podem conseguir de um contrato de TV do que com os problemas reais que o futebol tem”.

“O futebol argentino está quebrado, Grondona o levou para o túmulo. Que negócio querem fazer agora com a AFA?”, bradou o capitão da Argentina em 1986, última vez que o país levantou o título mundial.

Recentemente Maradona foi nomeado embaixador da Fifa como “capitão do time de lendas” e tem trabalhado de forma próxima ao presidente da entidade, Gianni Infantino. “Vou levar meu informe a Zurique e vou falar com Infantino porque me parece que as coisas não estão sendo feitas nada bem e o Governo não se importa. Tudo muito escuro. Então, a Fifa precisa saber”, afirmou o ex-jogador.

Maradona ainda disse que não tem candidato para presidente da AFA, mas que se surpreendeu que ninguém entrou em contato com ele para falar do futebol argentino. “Hoje eu estou como representante argentino na Fifa. “Me parece uma soberba muito grande que temos que deixar de lado para resolver os problemas que Grondona deixou”.

Ao que parece, Maradona será muito mais participativo no futebol argentino com a proximidade ao poder da Fifa. E diante do estado atual do futebol argentino, quem pode dizer que isso seria ruim? Ao menos Diego é do futebol, ao contrário de muitos dos dirigentes que ele critica.