Manchester United pagou a conta pelo mau futebol com derrota para Huddersfield

Mais uma vez jogando pouco futebol, Manchester United foi derrotado pelo Huddersfield fora de casa

O Huddersfield proporcionou uma noite fantástica para os seus torcedores no estádio John Smith. Um impressionante 2 a 1 sobre o poderoso Manchester United em casa, aproveitando que o time comandado por José Mourinho, mais uma vez, ficou devendo futebol. Duas falhas individuais dos Diabos Vermelhos levaram aos dois gols do time da casa.

LEIA TAMBÉM: Mudanças de Conte e entrada de Batshuayi levam Chelsea a virada incrível contra Watford

A vitória é muito significativa para o time. Primeiro porque o time não jogava a primeira divisão desde a temporada 2000/01. Depois, porque não vencia o Manchester United (até pela ausência de confrontos) há 65 anos. A última vitória foi no dia 22 de março de 1952, quando bateu os Diabos Vermelhos por 3 a 2.

A semana do Manchester United foi boa em resultados, mas foi algo considerado típico do técnico José Mourinho: um empate por 0 a 0 contra o Liverpool no fim de semana passado e uma vitória por 1 a 0 sobre o Benfica. As críticas ao estilo defensivo do time eram fortes. A atuação do time no primeiro tempo só aumentou ainda mais essas críticas.

Aos 28 minutos do primeiro tempo, o meia Juan Mata perdeu a bola no meio-campo, Aaron Mooy fez o desarme e avançou com a bola. Abriu para Tom Ince, que podia ter chutado de primeira, preferiu o drible, aí sim finalizou, mas o goleiro David De Gea defendeu. No rebote, Mooy bateu de primeira e marcou 1 a 0. O segundo gol veo em uma falha individual do Manchester United. Em um chutão do goleiro, Lindelof furou a bola e Depoitre aproveitou, driblou De Gea e marcou o gol: 2 a 0, aos 33 minutos.

Aos 36 minutos, Ander Herrera sofreu falta de Kachunga, mas o árbitro não marcou. Ele fui chutado pelo jogador adversário dentro da área. Apesar disso, o time do Manchester United não tece muito o que ser destacado no primeiro tempo. A atuação ruim não podia ficar muito pior no segundo tempo.

Com o time atuando muito mal, Mourinho fez duas alterações já no intervalo. Tirou Juan Mata e Anthony Martial e levou a campo Henrikh Mkhitaryan e Marcus Rashford. O time melhorou, mas não o bastante. Mesmo assim, conseguiu diminuir o placar aos 33 minutos da etapa final. Lukaku, em atuação também pouco inspirada, cruzou da direita para o cabeceio de Rashford.

O Manchester United pressionou, é verdade, tentou o gol. O time era pouco criativo, pouco interessante, pouco articulado. O Huddersfield se organizou defensivamente para atrapalhar o time de Mourinho com muita marcação, pouco espaço e uma atuação impecável.

O jogo ruim do Manchester United foi refletido também no número de chute a gol. O Manchester United chutou oito vezes, acertando três.  O Huddersfield chutou menos, cinco, mas acertou o mesmo número do United, três.

Mourinho ressaltou muitas vezes a competência defensiva do Manchester United, que é realmente uma grande qualidade que merece ser valorizada. O problema é que o futebol do time, especialmente no aspecto ofensivo, vinha sendo pobre nos últimos jogos.

A conta chegou quando o desempenho defensivo não foi impecável. Ofensivamente, o time já não vinha produzindo como no início da temporada. A derrota é mais preocupante por isso do que o resultado em si.

Não jogar bom futebol pode render, sim resultados. Uma hora ou outra, porém, é muito provável que a conta chegue. E chegou em um tropeço inesperado contra o Huddersfield. Assim, o empate contra o Liverpool em Anfield Road parece um resultado pior do que poderia ser.