Manchester City e Arsenal crescem durante queda do United e começam a afunilar briga pelo título

Dupla vence e se mantém na ponta, enquanto Red Devils empatam sem gols pela segunda vez seguida na Premier League

Campeonatos de pontos corridos são repletos de finais ao longo de suas 38 rodadas, e embora nenhuma delas tenha acontecido neste final de semana, dá para dizer que os resultados deste sábado podem ter sido um primeiro importante divisor de águas na briga pela ponta da tabela da Premier League. Enquanto Manchester City e Arsenal fizeram seus deveres, asseguraram a vitória e se mantiveram dividindo a primeira colocação, agora com 25 pontos, o Manchester United, que chegou a assumir a ponta por uma rodada, apenas empatou com o Crystal Palace e ficou nos 21 pontos. Se a questão fosse apenas os resultados, os placares deste sábado poderiam não significar muita coisa. Mas há mais circunstâncias por trás disso tudo.

VEJA TAMBÉM: Coutinho chama para si a virada do Liverpool e afunda mais o Chelsea

Depois da ótima atuação defensiva no dérbi de Manchester da semana passada, Otamendi desta vez foi essencial também ofensivamente. O zagueiro subiu de cabeça com autoridade para abrir o placar na vitória do Manchester City por 2 a 1 sobre o Norwich. Os canários chegaram a empatar o jogo, aproveitando uma falha de Joe Hart, mas depois Yaya Touré voltou a colocar os donos da casa à frente no placar, convertendo pênalti aos 44 minutos do segundo tempo e fechando o resultado. No último lance da partida, Kolarov ainda desperdiçou uma outra cobrança de pênalti.

Fora de casa, o Arsenal confirmou sua condição de inglês com o melhor desempenho atual e, após um primeiro tempo sem gols, deslanchou na segunda etapa, marcando três gols entre os quatro e os 28 minutos do segundo tempo, com Giroud, Koscielny e Campbell indo às redes. O tento do costarriquenho foi especialmente importante, considerando que antes da partida Wenger havia dito que o jogador vivia agora sua última oportunidade de se fixar no time, após tantos empréstimos.

Além de manter o nível e a eficiência das rodadas anteriores, a fase boa do Arsenal ganha um impulso ainda maior considerando a dificuldade que o Swansea costuma dar aos times grandes que vão até o Liberty Stadium. Foi a terceira vitória por 3 a 0 dos Gunners nas últimas quatro rodadas de Premier League, com o 2 a 1 sobre o Everton sendo a exceção, e o ritmo do time é cada vez melhor. Estamos naquele momento da temporada em que afirmamos que, desta vez, o Arsenal pode ser campeão. Basta esperar para ver se a regularidade dos últimos jogos será mantida.

Já o Manchester United segue a tônica do trabalho de Van Gaal desde que assumiu o comando do time: após alguma sequência boa, vem outra igualmente ruim ou frustrante. Depois de assumir a liderança da Premier League e sair quase imediatamente dela após a derrota por 3 a 0 para o Arsenal, o time parece ter se perdido. Venceu o Everton por 3 a 0 na rodada seguinte ao revés para os Gunners, mas desde então empatou com o City em casa e agora também não saiu do zero contra o Crystal Palace.

Falta eficácia ao time no ataque, e a criação de jogadas não é o único problema. Jogador mais perigoso ofensivamente da equipe, Martial tem seu talento desperdiçado na ponta esquerda, tudo para que um cada vez menos empolgante Wayne Rooney seja mantido na posição mais avançada. Além da queda de nível na Premier League, o time ainda foi eliminado pelo Middlesbrough na Copa da Liga Inglesa no meio da semana e ficou apenas no empate com o CSKA na semana anterior, pela Champions League.

Justamente no momento em que o United fica estagnado e vê o avanço de rodadas anteriores começar a regredir, seus supostos concorrentes ao título, Arsenal e Manchester City, crescem a cada rodada, não apenas nas atuações individuais, mas também coletivamente, como fica evidente na divisão de protagonismo no elenco dos Gunners e na competência de atletas dos Citizens que não são exatamente titulares, mas que estão aproveitando as oportunidades deixadas por contusões de companheiros para mostrar seu futebol, como Bony e De Bruyne.

Passaram-se apenas 11 rodadas, e isso é pouquíssimo para que se crave qualquer coisa. Mas a impressão, após algumas semanas e resultados, é de que Manchester City e Arsenal começam a se distanciar rumo a uma escalada que, em algumas rodadas, poderá colocá-los como únicos reais concorrentes pelo título da Premier League. Com a distância de 14 pontos dos líderes para o Chelsea, um time que em teoria tinha time para brigar pelo bicampeonato, e a presença de uma série de times com elencos pouco profundos em meio aos primeiros lugares, como o terceiro colocado Leicester e o quinto colocado West Ham, essa projeção se torna ainda mais possível.