Durante algumas semanas, as notícias sobre Malcom no Barcelona não eram boas. O brasileiro disputou apenas 25 minutos de jogo entre agosto e outubro, deixado de lado por Ernesto Valverde. As manchetes dos jornais apontavam a frustração do ponta e seu desejo de buscar novos rumos. No entanto, a primeira oportunidade na Liga dos Campeões foi transformadora. O brasileiro saiu do banco e, em nove minutos, anotou o gol blaugrana no empate por 1 a 1 contra a Internazionale, em Milão. A deixa para que se tornasse titular contra o Betis e ganhasse perspectivas na volta da Data Fifa. Nesta quarta, o camisa 14 concedeu uma longa entrevista (em surpreendentemente fluído castelhano) ao site do clube e apontou seus objetivos.

“La Liga está muito difícil e espero que o Barcelona ganhe. Isso motiva mais. Quero jogar partidas difíceis para demonstrar ao técnico que tenho qualidade para estar com o grupo. São esses jogos que mostram por que você está no Barcelona. Falei com ele e me disse que eu necessitava estar com o grupo, para melhorar. Nossa relação é muito boa”, declarou Malcom, em entrevista ao site do Barcelona.

Segundo o atacante, sua própria história de vida é uma motivação para seguir em frente no Barcelona: “Foi muito difícil chegar até aqui. Sou de uma família que não tinha dinheiro para comprar o que queria e sempre precisava treinar de ônibus, acordando às quatro da manhã para treinar às nove. No Brasil era muito difícil, mas agora tenho meus motivos para sorrir. Estar aqui no Barcelona é inesquecível. Então vou fazer o máximo para seguir aqui e cumprir meu contrato”.

Já sobre a estreia marcante na Liga dos Campeões, o brasileiro a comparou com um sonho: “Estrear na Champions era um sonho desde pequeno e ainda mais fazendo gol. Ficará marcado na minha memória. Eu queria estrear na Champions, não importa seriam oito ou dez minutos. Sempre imaginei que pudesse fazer um gol, mas não assim, contra um adversário tão difícil. Depois da partida falei com a minha mãe e ela estava chorando, porque sempre disse desde pequeno que meu sonho era jogar a Champions com o Barça. Para a minha família, é um sonho que se tornou realidade”.

Por fim, Malcom também ressaltou a boa relação que mantém com os companheiros no Camp Nou: “Somos uma família e todo mundo quer o melhor para o outro. Fazemos muitas brincadeiras no vestiário e no grupo de whatsapp que temos. Sempre falo mais com os jogadores brasileiros, mas me dou bem com todo mundo”. Aos 21 anos, o atacante tem qualidade para buscar mais. E parece motivado para começar a escrever sua história no Camp Nou.