Uma situação dolorosa aconteceu na rodada deste sábado da Copa da Inglaterra. Por orientação da Football Association, os jogadores deveriam usar uma braçadeira negra em tributo a Emiliano Sala. A família do jogador, no entanto, contatou a federação. Afirmou que o argentino não foi encontrado ainda e, por isso, não querem que o considerem morto. Desta maneira, nos duelos que fecharam a noite, o acessório foi descartado. Enquanto a esperança se mantém, os parentes do atacante desaparecido unem forças para retomar as buscas pela aeronave, após a polícia de Guernsey encerrar os procedimentos. E uma ajuda massiva vem do futebol. A meta de juntar €150 mil para custear as equipes particulares de resgate já superou os €300 mil. Kylian Mbappé, em especial, apresentou seu enorme caráter.

Não é a primeira vez que o atacante do Paris Saint- Germain se envolve em ações solidárias. Basta lembrar que, durante a Copa do Mundo, o jogador repassou toda a sua premiação pela conquista do título a uma instituição que cuida de crianças em seu país – algo acordado antes mesmo do início da campanha na Rússia. Já neste domingo, uma doação de €30 mil apareceu no crowdfunding, em nome de Mbappé. Generosidade gigantesca em meio ao desespero. Durante todo o primeiro turno da Ligue 1, Mbappé e Sala foram concorrentes pela artilharia do torneio.

Outro jogador do PSG que abriu sua carteira foi Adrien Rabiot. Mesmo envolvido em um imbróglio com o clube, sem saber qual o seu destino na próxima temporada após recusar a renovação de contrato proposta pelos parisienses, o meio-campista auxiliou bastante. Deu €25 mil à campanha. Já no Olympique de Marseille, Dimitri Payet e Lucas Ocampos fizeram doações de €10 mil cada. A ação coletiva, criada pela própria empresa que gerencia a carreira de Sala, ainda está disponível a novas contribuições.