Éderzito Antônio Macedo Lopes, o Eder, já poderia olhar para a trajetória que fez nos campos e sorrir. Afinal de contas, foi de seus pés que saiu o chute que mandou a bola ao canto direito de Hugo Lloris, no Stade de France, naquela prorrogação da final da Euro 2016, rendendo o inesperado primeiro título da seleção de Portugal. Pois hoje o atacante ganhou mais uma memória saborosa para sua carreira. Emprestado pelo Lille, Eder marcou o gol que deu a vitória decisiva ao Lokomotiv Moscou contra o Zenit, na penúltima rodada do Campeonato Russo, confirmando o primeiro título nacional do clube moscovita desde 2004 – o Spartak Moscou ficou sete pontos atrás (53, contra 60 do Lokomotiv), ao empatar sem gols com o Rostov, perdendo a vice-liderança para o Krasnodar, também com 53.

E se não chegou a ser um gol no tempo extra, também veio de modo dramático. Aos 42 minutos do segundo tempo, a jogada começou com um passe do meio. Pela direita, vinha Vladislav Ignatyev. O russo cruzou. Pelo meio da área, vinha Eder. Como na Euro, também vindo do banco: o português estava em campo apenas havia oito minutos, substituindo Anton Miranchuk.

E como na Euro, Eder saiu do banco para entrar na história: desviou o cruzamento de Ignatyev na primeira trave, se antecipando ao goleiro Yuri Lodygin para fazer 1 a 0. Celebrar o filho vindouro em agosto, na comemoração. E deixar o estádio em êxtase, com o primeiro título russo do Lokomotiv em 14 anos, colocando lágrimas no rosto do técnico Yuri Semin durante a comemoração.

De fato, Eder ganhou mais uma lembrança alegre e histórica para quando pensar nisso, ao final da carreira.


Os comentários estão desativados.