A posição varia. Marcel Sabitzer já jogou com Julian Nagelsmann pela direita no ataque ou em uma linha de quatro jogadores no meio-campo, como se destacou quando chegou ao RB Leipzig, um pouco mais como ala com três zagueiros e até como meia-atacante ou meia-central, como foi o caso na vitória por 3 a 0 sobre o Tottenham, nesta terça-feira, pelas oitavas de final da Champions League, na qual marcou duas vezes.

A grande diferença na atual temporada é ter ganhado permissão do chefe para chegar mais vezes ao ataque e isso tem se traduzido em ótimos números para o jogador austríaco de 25 anos, seus melhores na Alemanha: 15 gols e sete assistências em 35 partidas.

Sabitzer chegou em 2015, após uma temporada emprestado ao Red Bull Salzburg. Quase sempre pelo lado direito, formou a dupla de criação com Emil Forsberg que funcionou muito bem nas primeiras temporadas do RB Leipzig na elite. Sofreu com lesões em 2017/18 e afirmou que teve mais tarefas defensivas na campanha passada, com Ralf Rangnick, que comandou o ano de transição enquanto o clube esperava Nagelsmann.

Com Rangnick, Sabitzer já havia sido mais vezes pelo meio do que pela direita, mas afirmou ao site da Bundesliga, no começo da temporada, que a posição importa menos do que a liberdade para se aproximar do ataque.

“O treinador me vê pela direita, às vezes em uma posição mais ofensiva, às vezes em uma posição mais defensiva. No fim, gosto de jogar nas duas. Ano passado, atuei predominantemente em uma posição mais defensiva, na qual era mais difícil chegar ao ataque. Tenho a sensação de que conseguirei atacar um pouco mais nesta temporada. Agora estou quase sempre envolvido em nossas ações ofensivas”, disse.

Nos dois jogos contra o Tottenham, Sabitzer atuou no meio-campo, ao lado de Konrad Laimer e à frente de três zagueiros. Pelos lados, os alas Angeliño e Mukiele. E aproveitou bem a liberdade para chegar ao ataque, na entrada da área, onde recebeu de Werner para fazer o primeiro gol, e depois infiltrando-se na primeira trave para completar o cruzamento de Angeliño.

Foi apropriado que a primeira vitória do RB Leipzig em um mata-mata de Champions League tenha sido decidida por um dos jogadores mais importantes deste começo de vivência do clube entre os principais da Alemanha e, nesta temporada, também da Europa.

.

.