A primeira das duas finais inglesas da semana começou com festa azul. O Chelsea venceu o Arsenal por 4 a 1 em Baku na final da Liga Europa, com participação decisiva de Eden Hazard, para sagrar-se campeão. O placar talvez dê a impressão que o Chelsea atropelou. Não foi bem isso. Em um jogo que começou equilibrado e terminou sem gols no primeiro tempo, o time de Maurizio Sarri foi mais eficaz no segundo tempo, aproveitando chances seguidas para abrir vantagem e se colocar em posição de vencer com tranquilidade o rival londrino.

Com o jogo começando às 23h no horário local e parece que o jogo ficou no ritmo mesmo de uma soneca. Também havia um clima de amistoso, não de uma final. O jogo, muito distante, teve muito espaços vazios no estádio. Claramente, nem todos os ingressos foram vendidos, o que indica que algo foi mal pensado pela Uefa – veja só, quem poderia imaginar. O clima do estádio também era muito diferente do que se espera das torcidas inglesas, sempre calorosas fora de casa.

O primeiro tempo não foi um grande futebol. Muito brigado, mas tecnicamente não foi grande coisa. E o Arsenal foi melhor nos minutos iniciais, mas só até o Chelsea conseguir igualar o jogo no meio do primeiro tempo para, a partir daí, levar mais perigo. E o Arsenal não se encontrou mais a partir daí.

A oito minutos, uma boa chance. Pela direita, Maitland-Niles chegou pela direita, cruzou, o goleiro Kepa afastou. A bola sobrou para Aubameyang, que chutou de primeira, mas muito mal e a bola foi fora.

Aos 17 minutos, lançamento em profundidade para Lacazette, que tentou avançar e caiu, após a saída do goleiro Kepa. O lance gerou dúvidas sobre um possível pênalti. O árbitro pareceu em dúvida, mas apontou tiro de meta. Pouco depois, o volante Granit Xhaka chutou forte de fora da área, de pé direito, e a bola passou muito perto.

O Chelsea chegou aos 29 minutos, com Emerson. O lateral chegou pela esquerda e teve espaço para finalizar, mas a zaga cortou antes que a bola chegasse ao goleiro Petr Cech, e foi para escanteio. Depois, aos 33, Emerson novamente apareceu com liberdade para finalizar e chutou forte, mas no meio do gol e Cech defendeu.

O lance mais perigoso do Chelsea no jogo foi aos 38 minutos. Em uma boa troca de passes pelo meio, Giroud recebeu na entrada da área de Jorginho, chutou cruzado, rasteiro, e Cech defendeu, mandando para escanteio.

No início do segundo tempo, o Chelsea chegou ao gol. Bola na esquerda com Emerson, que cruzou para a área e Giroud, de peixinho, se antecipou a Laurent Koscielny e colocou no cantinho: 1 a 0 para os Blues. Ele ajoelhou-se e abriu os braços, com uma comemoração tímida de quem se projetou na Inglaterra pelo tempo no Arsenal.

O lado esquerdo era o caminho. Kovacic abriu para Hazard na ponta esquerda e o camisa 10 tocou para o meio, onde estava Pedro. Ele chutou de canhota, não pegou em cheio, mas acertou no canto e saiu para o abraço: 2 a 0 para os Blues, aos 14 minutos.

Unai Emery pedia que o time não se desesperasse, mas o Arsenal continuou errando. E o Chelsea acabou encontrando mais um gol. Hazard recebeu, tomou a falta, a bola sobrou para Pedro, que degurou e tocou para Giroud. Ele foi derrubado por Maitland-Niles. O árbitro Gianluca Rocchi apontou a marca da cal. Pênalti para o Chelsea. Hazard cobrou, deslocou Cech, e marcou: 3 a 0.

O Arsenal logo voltou à carga. Aos 24 minutos, Alex Iwobi, que tinha acabado de entrar, aproveitou um bate e rebate na área e pegou bonito na bola para marcar um golaço: 3 a 1. Uma esperança poderia nascer nos corações dos torcedores Gunners, mas o que se viu em seguida foi mais um ataque perigoso do Chelsea que acabou em gol. Três minutos depois de sofrer o gol, o Chelsea atacou com Hazard, que tocou para Giroud e o centroavante devolveu em uma cavadinha para Hazard, que bateu de primeira, no meio da área, para marcar 4 a 1.

Depois disso, o jogo ficou totalmente aberto. Os dois times perdendo chances e mais chances. O Arsenal parecia em um filme dos trapalhões, errando finalizações e perdendo gols. Os Blues também, com Willian, que entrou no segundo tempo, aproveitando os espaços dados para criar chances.

No final, vitória do Chelsea em uma partida que o time de Sarri pareceu aproveitar muito melhor as chances. Conseguiu colocar a bola na rede nas chances nas chances do segundo tempo, depois de um primeiro tempo bastante monótono. O Arsenal pareceu um time sem sal, não conseguiu ir bem na partida, exceto pelos primeiros minutos. Depois, o time pareceu ausente, apático e em nenhum momento mostrou força para voltar à disputa depois de tomar o primeiro gol.

Jogadores do Chelsea comemoram título da Liga Europa (Foto: Getty Images)

Restará a Unai Emery preparar o time para jogar a próxima temporada, novamente na Liga Europa. Quem comemora também é o Lyon, que com o título do Chelsea, é quem herda a vaga na fase de grupos da Champions League. Isso porque o Chelsea já tinha vaga garantida na competição e, portanto, a vaga vai para o próximo país no ranking da Uefa, a França, que teria dois times na fase de grupos e outro nas fases preliminares. Com isso, o terceiro time francês vai direto à fase de grupos, com o Lyon se unindo a PSG e Lille.

David Luiz também escreve mais um belo capítulo na sua história com o Chelsea. Campeão da Champions League em 2011/12, ele também levantou a taça da Liga Europa em 2012/13. Além dos títulos continentais, conquistou também a Premier League em 2016/17, com Antonio Conte, quando ele também voltou ao Chelsea. Conquistou a Copa da Copa da Inglaterra também em 2011/12.

Duas histórias agora ficam para os torcedores do Chelsea acompanharem. Maurizio Sarri fica no Chelsea? O clube poderá, enfim, contratar jogadores, conquistando uma vitória no Tribunal Arbitral do Esporte contra a proibição da qual foi punido? E mais do que isso: com a iminente saída de Hazard, confirmada pelo jogador no fim do jogo ao dizer que “acha que foi uma despedida, mas no futebol nunca se sabe”. Ele deve ir para o Real Madrid, ao que tudo indica. A saga então será: como o Chelsea pretender substituí-lo? Mais do que isso: se Sarri sair, quem o substituirá? Perguntas a serem respondidas a partir das próximas semanas.