A Itália fez um bom jogo contra os Países Baixos, em Amsterdã, e venceu por 1 a 0. O placar apertado permitiu que os neerlandeses pressionassem no final, mas ao longo de todo o jogo, a Azzurra foi superior e mostrou bom futebol. O time armado por Roberto Mancini dominou as ações ofensivas, chegou mais ao ataque e foi quem colocou o ritmo do jogo. A atuação foi uma boa notícia, mas uma possível lesão de Nicolò Zaniolo causa preocupação.

O futebol apresentado pelo time foi de muitos passes, domínio da posse de bola e controle do jogo. O meio-campo armado pelo treinador da Azzurra foi muito eficiente na proposta: Jorginho, mais recuado, com Nicolò Barella e Manuel Locatelli. Foi parte das mudanças que o técnico fez em relação ao time que jogou contra a Bósnia, na rodada passada. Além deles, Giorgio Chiellini esteve em campo como titular. Mancini deve ter lembrado de colocar os óculos desta vez. O ataque também foi bastante modificado. Só Lorenzo Insigne manteve o posto, com Ciro Immobile e Nicolò Zaniolo ao seu lado.

O placar apertado acabou não fazendo justiça ao bom jogo que os italianos fizeram. Só no primeiro tempo, a seleção italiana chegou com perigo ao menos duas vezes. Só que a má notícia veio quando o jogo ainda estava 0 a 0. Aos 41 minutos, o jogador sofreu uma lesão no joelho esquerda. Ele operou o joelho direito em 2019, depois de uma lesão grave. Há uma preocupação grande em relação à lesão.

A Itália abriu o placar no final do primeiro tempo. Em uma boa jogada trabalhada, Lorenzo Insigne recebeu pela esquerda e a bola ficou com Ciro Immobile. O centroavante cruzou para a área e Nicolò Barella chegou para cabecear, no meio da área, e marcar 1 a 0. Mesmo sendo o jogador mais baixo em campo (1,72 metro), conseguiu fazer o gol de cabeça em meio à alta defesa dos neerlandeses.

Mesmo após o gol, quem mais atacava era a Itália. Foi só no segundo tempo que o goleiro Gianluigi Donnarumma fez uma intervenção, em uma finalização de Donny van de Beek. Com o passar dos minutos, os italianos pareceram desgastados e, assim, acabaram sofrendo mais nos minutos finais. Mesmo assim, os neerlandeses raramente tiveram chances claras.

O time de Mancini mostrou uma consistência em campo, com boas atuações tanto de Barella quanto de Locatelli, estreando. Immobile foi muito bem, mesmo tendo que sair da área em alguns momentos, como no lance do gol. Dentro da área, não teve chances claras de finalização.

Lorenzo Insigne foi um dos melhores em campo: se movimentou e participou muito do jogo. A zaga, com Leonardo Bonucci e Giorgio Chiellini, mostrou muita segurança. Danilo D’Ambrosio, na lateral direita, fez uma boa partida, incluindo um bloqueio no final do segundo tempo.

Nos Países Baixos, Memphis Depay foi o maior destaque do time, como tem sido habitual. O time sofreu com o controle de jogo da Itália e, por isso, seu qualificado meio-campo jogou menos do que o esperado. Marten de Roon, com chance na equipe depois da ótima temporada pela Atalanta, Frenkie De Jong, um dos mais lúcios no time, e Donny van de Beek tiveram problemas para encontrar espaços para jogar.

A Itália assume a liderança do grupo, com quatro pontos, deixando Países Baixos e Polônia (que também venceu) com três. A Bósnia é lanterna, com um ponto.