A ESPN divulgou nesta quarta-feira (21) uma pesquisa feita com 104 jogadores de 22 equipes na pré-temporada da Major League Soccer. Temas polêmicos, sempre relacionados ao futebol, foram abordados nas perguntas do documento lançado como ‘MLS Confidential’, já que a identidade dos jogadores entrevistados continua anônima para o grande público. Entre os assuntos abordados, o teto salarial, o rebaixamento na liga, os culpados pelo fracasso nas últimas eliminatórias e até mesmo os jogadores mais superestimados do torneio.

LEIA MAIS: Garoto acaba com jogo na MLS, mas, menor de idade, não pode receber prêmio patrocinado por cervejaria

Dos 23 times da liga, apenas o New York City FC não liberou seus jogadores para participarem, pela segunda vez seguida. Mesmo assim, a equipe teve personagens de seu elenco aparecendo nos resultados divulgados pela emissora norte-americana. Uma das primeiras perguntas foi leve, sobre qual jogador eles gostariam de ver na MLS nos próximos anos, com Messi e Cristiano Ronaldo encabeçando a lista com facilidade, obviamente.

Perguntados sobre o fracasso dos Estados Unidos nas últimas eliminatórias, para a Copa do Mundo de 2018, os jogadores e a US Soccer foram os responsáveis mais votados, com 9% cada, enquanto os técnicos que passaram pela seleção levaram 7%. Como se quisessem ficar em cima do muro, 75% dos atletas entrevistados culparam os três fatores citados anteriormente, não dando assim uma clara resposta e mostrando como ainda há muito a melhorar no futebol do país. Entre as frases mais interessantes sobre o assunto, fica a de um jogador que disse: “Muitos culpam a US Soccer, mas os que entraram em campo precisam fazer o trabalho corretamente. Trinidad & Tobago é uma equipe que venceríamos dez vezes em dez jogos”.

A polêmica sobre haver uma segunda divisão da MLS, com rebaixamento e promoção, também foi abordada. Para 63% dos jogadores entrevistados, a liga precisa mudar essa regra, principalmente para “deixar emoção para todos durante o ano inteiro”. No ano passado, por exemplo, o número dos que aprovavam o rebaixamento na MLS era de 54% – e em 2016 era de apenas 49%.

O teto salarial imposto pela liga, assunto que gera debates acalorados constantemente, foi abordado. Perguntados sobre o que fariam se fossem o comissário da MLS por um dia, 36% dos atletas disseram que aumentariam os valores do teto ou mesmo acabariam com ele. Quando o assunto foi a estrutura salarial da liga, um número assustador foi revelado: 82% dos jogadores não estão felizes com o sistema, principalmente pelas enormes diferenças salariais entre os Designated Players e os demais atletas. Alguns ainda alegam que há uma certa sensação de injustiça e falta de reconhecimento.

O sistema atual dos playoffs da MLS também foi questionado. Para muitos a temporada regular é muito grande para poucos jogos, alguns em partida única. Sendo assim, 61% dos entrevistados foi contra o molde proposto pela liga. Outros temas interessantes citados: para 51% dos entrevistados, jovens atletas americanos ganham tempo suficiente de jogo, mas 43% discordou. Além disso, 58% dos atletas elogiou o Video Assistant Referee (VAR), um número considerado bem interessante, principalmente porque o sistema entrou na MLS há menos de um ano.

Por fim, uma polêmica saudável. Para 11% dos que responderam o questionário, Giovani dos Santos (LA Galaxy) é jogador mais superestimado da Major League Soccer, seguido por Michael Bradley e Jozy Altidore, ambos do Toronto. Um dos argumentos mais usados é o de que Gio tem muita atenção dos fãs mexicanos e a mídia americana acaba comprando o ‘hype’ que o envolve, mas que ele não é um jogador acima da média para a liga. Já Ignacio Piatti (Montreal Impact) foi considerado o jogador mais subestimado da MLS, mesmo fazendo boas campanhas com sua equipe nos últimos anos.

A pesquisa pode acabar não gerando nenhuma grande mudança na Major League Soccer, mas é muito interessante ver que os jogadores estão dispostos a falar, reclamar, elogiar e, principalmente, serem ouvidos. É o primeiro passo para evitar erros. Para um campeonato que ainda tenta ser grande, todo sinal de mudança e evolução é louvável.


Os comentários estão desativados.