O Grêmio estava nas cordas. O primeiro tempo foi de domínio total do Flamengo. Os donos da casa não chegaram a trocar 90 passes certos. Com intervenções certeiras do VAR e um adversário que não aproveitou os seus bons momentos para matar a eliminatória, chegou ao fim do jogo ainda vivo e, quando buscava o empate, teve no substituto e capitão Maicon o momento de clareza que precisava para fazer 1 a 1.

Os gaúchos conseguiram equilibrar o segundo tempo e criaram um par de chances, bem defendidas por Diego Alves. Mas foi também nesse período que Bruno Henrique abriu o placar e a melhora gremista não representou um volume de jogo tão grande. Aos 37 minutos, Renato Gaúcho se mexeu e soltou as últimas duas substituições que tinha na manga: Maicon no lugar de Michel e Pepê na vaga de Alisson.

Maicon, 34 anos, é essencial para o meio do Grêmio, pelo seu passe apurado e visão de jogo, mas a condição física não é mais a mesma. Era dúvida para esta partida, com dores musculares, e jogou apenas cinco vezes no Campeonato Brasileiro. Nas últimas duas partidas com os titulares, contra Santos e Avaí, não saiu do banco de reservas. Longe do ideal, foi preterido por Michel na escalação de Renato Gaúcho.

E Michel correu o risco sério de ser expulso por um pisão em Gérson. O árbitro chegou a dar uma olhada no monitor do assistente de vídeo antes de se decidir por um cartão amarelo.

Maicon, assim que entrou, começou a abrir alguns espaços com seus passes verticais e, no lance do gol, conseguiu um pouco da infiltração que estava faltando ao Grêmio achando Everton pela direita. Cebolinha cruzou meio chutando e Pepê, que havia entrado ao lado do meia, apareceu na boca do gol para completar e garantir o importante empate.

Renato Gaúcho teve estrela, com substituições certeiras que acabaram construindo o gol que mantém o Grêmio ainda muito vivo na disputa e precisará cuidar bem do seu capitão para tê-lo voando no Maracanã, daqui a três semanas, e aumentar suas chances de chegar à final.

.

.