Carl Ikeme deveria viver uma temporada cheia de expectativas em 2017/18. O goleiro do Wolverhampton vinha no melhor momento da carreira, titular absoluto no Estádio Molineux, e de quebra acumulava partidas como titular da seleção nigeriana nas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018. Em julho, no entanto, o futebol se tornou uma questão secundária. O arqueiro de 31 anos descobriu ser portador de uma leucemia e iniciou sua batalha contra a doença. Ainda assim, o camisa 1 se faz importante. No clube, frequentou os vestiários e motivou a campanha que garantiu aos Wolves o acesso à Premier League. Já na seleção, recebeu homenagens após a conquista da classificação ao Mundial e seus companheiros fizeram questão de dividir a premiação com o veterano pelo feito. Pois, mesmo sem poder jogar, ele terá a sua parte na Copa. Ikeme foi confirmado como “24° homem do elenco” que vai à Rússia.

Ao longo dos últimos meses, o técnico Gernot Rohr não escondeu o seu desejo de contar com Ikeme na Copa do Mundo. No segundo semestre de 2017, o comandante das Super Águias declarou que aguardaria o quanto fosse preciso para que o camisa 1 se reintegrasse à equipe. Já nas últimas semanas, após a convocação preliminar de 30 jogadores ao Mundial, o alemão admitiu que a ausência de Ikeme “era o seu maior lamento”. No entanto, não é isso que afastará o goleiro. Segundo as informações da imprensa nigeriana, Rohr confirmou que o arqueiro fará parte do elenco como atleta, embora não possa ser registrado na competição. A Nigéria faz amistosos na Inglaterra e na Áustria, antes de seguir à Rússia.

Ainda não está claro o quanto Ikeme poderá ficar com o grupo e se vai mesmo à Rússia, levando em conta as questões ligadas à sua saúde. No entanto, o contato com o veterano será importante, pela experiência que poderá transmitir a um plantel essencialmente jovem. Além disso, as opções ao gol são uma das maiores preocupações da Nigéria. Ikechukwu Ezenwa e Daniel Akpeyi não impressionaram muito nos últimos compromissos, enquanto a falta de rodagem é uma barreira ao promissor Francis Uzoho. Nenhum deles possui a tarimba de Ikeme, que construiu sua carreira nas divisões de acesso do Campeonato Inglês, ainda que sua trajetória na seleção principal tenha se iniciado apenas em 2015, surgindo como herdeiro de Vincent Enyeama após sua despedida da equipe nacional.

Antes da viagem à Rússia, Ikeme deverá ser homenageado pela seleção nigeriana. As Super Águias prometem um tributo ao camisa 1 no próximo dia 2, em Wembley, quando a equipe disputa amistoso contra a Inglaterra. O veterano dará o pontapé inicial na partida. Descendente de nigerianos, o goleiro nasceu em Sutton Coldfield, cidade localizada na região metropolitana de Birmingham. Iniciou sua trajetória nas categorias de base do Wolverhampton, estreando pela equipe principal em 2003, e passou por diversos empréstimos até se firmar como titular dos Wolves a partir de 2012/13.

A inclusão de Ikeme como 24° jogador da Nigéria, aliás, não é uma novidade ao país. O expediente já foi usado em outras Copas do Mundo. Em 1994, Tijani Babangida recebeu o reconhecimento e viajou aos Estados Unidos, enquanto Peter Odemwingie se tornou o homem extra no Japão em 2002. Nos dois casos, contudo, os garotos estiveram no Mundial para ganhar rodagem em grandes competições. O caso de Ikeme é diferente. E mais do que merecido, considerando sua influência nos bastidores deste elenco. Não será a leucemia que impedirá o veterano de realizar seu sonho, presente em uma Copa do Mundo, mesmo que extraoficialmente.


Os comentários estão desativados.