Embora Romelu Lukaku parecesse não se encaixar exatamente no perfil de time que Ole Gunnar Solskjaer queria montar em sua primeira temporada completa no Manchester United, o técnico quis manter o belga no elenco. Porém, entendendo que o atacante já havia virado a página, deu todo o apoio ao jogador para que ele buscasse a felicidade em outro canto. É o que revelou o próprio Lukaku.

O relato foi feito pelo jogador em um bate-papo via FaceTime com Ian Wright, ídolo do Arsenal e hoje comentarista da TV britânica. Nele, Lukaku afirmou que a decisão de deixar Old Trafford lhe pareceu clara depois dos problemas nos últimos tempos de clube. Segundo o atacante, ele “não tinha mais energia” para ficar.

“Eu sabia que seria bom (sair do Manchester United). Um ano ruim pode acontecer na carreira de qualquer um. Você sabe o que aconteceu nos bastidores, simplesmente já tinha acabado. Foi uma situação difícil, em que tive que tomar uma decisão de ir para algum lugar em que pudesse aprender outros aspectos do meu futebol e com alguém que me queria também”, relembra.

Lukaku exaltou a maneira como Solskjaer lidou com tudo internamente, possibilitando a negociação com a Internazionale. “O Ole queria que eu ficasse, mas eu falei que já tinha acabado. Eu não tinha energia para ficar. Dou todo o crédito a ele, porque ele foi homem e me ajudou a sair.”

O belga observa de longe o trabalho que tem sido no Manchester United desde então e acredito que o clube está no caminho correto. “Estão contratando os jogadores certos, fazendo um bom trabalho, e desejo a eles apenas o melhor. É um clube que me deu uma plataforma que nunca vi na vida. Então, ser desrespeitoso ao United ou a qualquer clube em que joguei na Inglaterra é um pouco infantil, acho”, avaliou.

A janela de transferências de verão, prévia à temporada europeia, foi agitada para o centroavante, disputado por Juventus e Inter. No fim das contas, escolheu pelos nerazzurri, muito por causa da vontade que o técnico Antonio Conte já havia demonstrado no passado em contar com seu futebol.

“Foi quase, esteve muito perto de acontecer (ida à Juventus), mas minha cabeça sempre esteve na Inter e no treinador. Quando eu era criança, admirava Adriano, Ronaldo, Christian Vieri. Então, quando a Inter veio, o Conte já tinha tentado me levar para o Chelsea e para a Juve também.”

Desde então, Lukaku tem se adaptado à nova realidade. Afirma que, na Itália, o ritmo dos treinamentos é bem mais puxado e brinca: “Meu deus… Pergunta para o Ashley Young qualquer dia”.

Morando na Grande Milão, o belga claramente teve sua vida afetada de forma pesada pela crise do coronavírus. A cidade é a capital da região da Lombardia, uma das mais afetadas na Itália, país com maior número de mortos por causa da doença COVID-19. Assim como muita gente que está de quarentena, Lukaku sente falta da relação com as pessoas de sua vida – e começa a dar mais valor para o que tem.

“Sinto falta da vida comum, de estar com a minha mãe, com meu filho, mesmo com meu irmão. É ruim, porque você não pode ter contato normal com seres humanos. Também sinto falta dos treinos, de jogar em frente aos torcedores, e então você começa a apreciar o que você tem.”

Em termos esportivos, Lukaku certamente aprecia a escolha de ir para a Itália. Sua reputação estava em baixa no United. Porém, na Inter, deu a volta por cima: já são 23 gols e 5 assistências em 35 jogos na temporada 2019/20.