A Fifa decidiu esta semana, depois dos clubes terem entrado com um recurso, que o Real e o Atlético de Madrid não poderão inscrever jogadores pelas próximas duas janelas de transferência. Isso em razão das contratações irregulares de atletas menores de 18 anos feitas por parte da dupla madrilenha. Ou seja, quem reforçou o elenco na última janela, reforçou. Quem não, só em 2018. Mas nem todo mundo está de acordo com a punição. Nem mesmo Luis Enrique, que comanda o grande rival dos times de Madri.

LEIA TAMBÉM: Florentino Pérez: “O elenco do Real Madrid é espetacular e impossível de melhorar”

Em 2014, o Barcelona sofreu exatamente a mesma pena por irregularidades na negociação de jovens atletas. Foi por esse motivo que o técnico blaugrana afirmou, em entrevista ao Marca, que não aprova o veredito da Fifa. “Não lembro o que eu disse quando fomos sancionados. Creio que falei que a punição era injusta, porque agora é a mesma coisa. Mas nós demonstramos, na época, que é possível ganhar títulos mesmo assim”, disse o treinador, que conquistou o ‘triplete’ em sua primeira temporada no clube. “Mesmo a sanção não beneficiando os jogadores, o Real e o Atleti continuam tendo grandes elencos. Só espero que eles não alcancem os mesmos resultados que o Barça”, acrescentou.

Enquanto os colchoneros desembolsaram cerca de € 75 milhões em reforços de peso, os merengues foram econômicos e só abriram o bolso para levar Álvaro Morata de volta ao Santiago Bernabéu. Apesar disso, é bem provável que Cristiano Ronaldo e Gareth Bale estendam seus contratos ainda este mês e o clube continue contando com seus dois jogadores mais valiosos e importantes por um longo tempo ainda. Ao passo em que o Real se preocupa com essas duas renovações, os blancos tentam reverter a punição. Desta vez, levando a questão à mais alta instância do direito desportivo.

Chamada Trivela FC 640X63