Mario Balotelli não dá nenhum sinal de que justificará o investimento feito nele na temporada passada. Sturridge é uma grande arma lá na frente, mas de nada serve seu talento se passa maior parte do tempo no estaleiro. Rickie Lambert é… bom, Rickie Lambert. Alguém legal de se ver num time menor, deixando sempre seus gols, mas longe de ser um centroavante de importância proporcional ao tamanho do Liverpool. Os Reds precisavam de um atacante para a temporada que se inicia em duas semanas e apostam que Christian Benteke seja esse cara. Mas o belga nem de perto vale os £ 32,5 milhões (€ 46,4 milhões) desembolsados ao Aston Villa.

VEJA TAMBÉM: Firmino tem potencial para substituir Sterling e tornar Liverpool até melhor

Após meses de especulação e semanas de negociações, o Liverpool acertou a venda de Raheem Sterling para o Manchester City por £ 49 milhões (€ 69,9 milhões). Todos elogiaram a capacidade do time de tirar um valor tão alto na transferência de um atleta claramente insatisfeito e que pouco fez para justificar tamanho investimento. “O negócio da janela até agora”, nós mesmos dissemos aqui na Trivela. A sagacidade daquela negociação não se repetiu nas conversas com os Villains por Benteke.

É de se imaginar que o próprio valor da venda de Sterling ao City tenha influenciado a pedida do Aston Villa por seu centroavante, e talvez o Liverpool tenha se visto sem opção, senão dar ao time de Birmingham o que ele queria. Mas desembolsar tão cedo na janela de transferências um valor tão alto por um atleta que sequer vinha sendo muito disputado parece pouquíssimo inteligente.

Em suas três temporadas pelo Aston Villa, Benteke demonstrou sua qualidade e a aptidão que tem para fazer gols. A última campanha não foi lá grandes coisas, até pelos problemas com lesão que teve, mas, em geral, dá para dizer tranquilamente que o belga tem capacidade de se destacar na Premier League. Mas não ao ponto de valer o que o Liverpool pagou por ele.

Benteke pode perfeitamente ser um sucesso nos Reds, repetindo, por exemplo, os 19 gols que fez logo em sua temporada de estreia no Inglesão, mas a única análise possível agora é do que já aconteceu, não do que pode acontecer. E, diante de tudo o que mostrou, de seus últimos meses e dessas outras circunstâncias envolvendo o momento em que o negócio foi feito, o centroavante foi uma péssima alternativa de se gastar boa parte do montante conseguido com a venda de Sterling.

As duas negociações, aliás, lembram bastante o que ocorreu quando o Liverpool conseguiu £ 50 milhões por Torres e gastou £ 35 milhões em Andy Carroll, valores muito próximos dessa dupla transação de agora. Assim como no caso de Carroll, o tamanho do investimento torna a cobrança em cima do belga bastante alta. E, partindo o ponto de vista mais frio, os Reds deveriam ter aprendido com a lição deixada por aquela fortuna despendida em um atleta que nunca havia mostrado ser espetacular. Porque é justamente esse o caso de Benteke.