O Liverpool anunciou neste sábado (4) que todos seus funcionários não-jogadores/membros da comissão técnica receberão seu salário na íntegra enquanto durar a crise sanitária do Coronavírus. Uma medida que, inicialmente, parece boa, mas que carrega uma “pegadinha”: o clube irá arcar apenas com 20% do salário, e os outros 80% virão dos contribuintes, por meio do programa de licença oferecido pelo governo britânico às empresas que tiveram que parar suas atividades durante o confinamento.

Em 20 de março, o Reino Unido, assim como a França e outros países, anunciou uma medida inédita para lidar com a crise do Coronavírus: pagaria 80% dos salários de empregados formais e informais enquanto eles são forçados a ficar em casa, sem poder trabalhar. O objetivo era ir ao socorro de pessoas comuns e especialmente pequenas e médias empresas, que deverão ser bastante afetadas. Clube multimilionário que é, o Liverpool foi alvo de muitas críticas por se aproveitar do programa para pagar seus empregados.

Newcastle e Tottenham foram os primeiros clubes da Premier League a fazerem o que faz o Liverpool agora e também foram criticados pela opinião pública. Depois deles, Bournemouth e Norwich seguiram o mesmo caminho.

Durante a semana, políticos como Matt Hancock, secretário da saúde do Reino Unido, visaram jogadores de futebol da liga mais rica do mundo, dizendo que eles deveriam aceitar cortes salariais em meio a esta crise. Com a pressão popular, a Premier League e a English Football League fizeram este pedido ao sindicato dos jogadores, a Professional Footballers’ Association. Os atletas, no entanto, primeiro querem provas dos clubes de que eles não podem bancar os salários de seus funcionários antes de abrirem mão de parte de seus vencimentos.

À BBC, um funcionário do Liverpool, que não teve o nome revelado, disse estar desapontado com o clube.

“Eles dizem que seus empregados são sua família. Não estou me sentindo um membro da família. Por que um clube com um volume de negócios de centenas de milhões de libras está usando um esquema do governo para seus funcionários quando outros negócios têm mais necessidade disso? Sinto-me decepcionado e acho que este programa poderia estar sendo usado por empresas em dificuldades”, argumentou o funcionário.

O volume de negócios do Liverpool na temporada passada apresentou números recordes de £ 533 milhões, além de lucro de £ 42 milhões antes dos impostos no mês de fevereiro.