O Liverpool parece cada vez menos capaz de brigar pela ponta da tabela. Neste domingo, no dérbi de Merseyside contra o Everton, o time fez um jogo bem abaixo do que se espera de uma equipe do porte dos Reds. O clássico, como jogo, não foi ruim. Disputado, aguerrido, mas com o lado azul melhor do que o vermelho. E, é bom lembrar, é o lado mais pobre do clássico. Erros defensivos, um time que cria poucas chances e que se contentou no fim do jogo com um empate por 1 a 1.

LEIA TAMBÉM: Pellè e Mané em dia de Pelé e Mané: Em Londres, Chelsea toma um baile do Southampton

Talvez este seja o adjetivo para o Liverpool de Rodgers: conformado. O time parece se acomodar nas próprias deficiências. Há falhas defensivas, mas o time não está perdendo o jogo, é um clássico, e no segundo tempo o que se viu em campo no Goodison Park era um Everton ainda querendo vencer e um Liverpool que não fazia muita força para sair da situação que existia.

Com a posse de bola praticamente dividida, os dois times tiveram chances parecidas. Foram 12 chutes a gol do Everton contra 13 do Liverpool. De todos esses chutes, cada time só acertou o gol quatro vezes.  O jogo foi mais empolgante por ser um clássico, ter rivalidade, muitos desarmes. Mas tecnicamente, os dois times ficaram devendo, especialmente o Liverpool.

Novamente, o Liverpool sofreu um gol por um erro defensivo. Os três zagueiros de Rodgers não ajudaram o time a ter mais domínio do jogo e ainda colocam Emre Can na defesa. O alemão ainda é um jogador que parece ter potencial, mas dificilmente coloca esse potencial em campo. Foi dele o erro crucial ao afastar a bola, oferecendo nos pés de Lukaku a chance de empatar o jogo quando estava em 1 a 0 para os Reds. Foi o que aconteceu.

O Liverpool é um time insosso. Não consegue ter força para buscar resultados adversos, nem parece conseguir se impor ao adversário. Ainda que Rodgers esteja tentando fazer o time mais eficiente, as suas formações táticas não estão sendo suficientes para tornar o time melhor. O Liverpool que se vê em campo hoje não briga por vaga na Champions League. Deverá se contentar com o meio da tabela. E isso é muito pouco para um time que gasta muito dinheiro no mercado. Rodgers não encontra mais soluções. Cada vez mais, os gritos pedindo a sua saída se intensificam. A questão, a essa altura, não parece mais se Rodgers vai sair, e sim se ele sai no final da temporada ou antes dela.

Gary Neville brincou com Jamie Carragher, em um programa da Sky Sports, emissora britânica que transmite a Premier League, que o dérbi de Merseyside era “o dérbi do meio da tabela”. Era uma provocação, mas atualmente o que se pode dizer é que é verdade. O Everton é atualmente o sexto colocado e o Liverpool é o 10º. Exatamente no meio da tabela.

Veja os gols do jogo: