Liverpool à imagem de Klopp foi todo coração para fazer o inacreditável contra o Dortmund

Em Anfield, Liverpool perdia por 3 a 1 para o Dortmund, parecia fadado à eliminação, mas virou o jogo nos acréscimos e vai à semifinal da Liga Europa

O confronto entre Liverpool e Borussia Dortmund era desde o começo tratado como um dos grandes duelos desta Liga Europa. Depois do empate por 1 a 1 na ida, a volta foi espetacular. O Borussia Dortmund chegou a abrir 3 a 1 jogando em Anfield Road. Parecia colocar a classificação no bolso. Mas o Liverpool, se não é um time com uma ideia de jogo tão clara e bem executada como o Dortmund, teve algo que sobra em seu técnico: alma. Em uma reação espetacular, conseguiu empatar e virar o jogo nos acréscimos, arrancar uma dramática vitória por 4 a 3 e sair de campo classificado.

LEIA TAMBÉM: Torcidas de Liverpool e Dortmund uniram-se para cantar em uma única voz e saudar Klopp

O começo do jogo foi uma aula de contra-ataque do time alemão. Com seus jogadores muito ligados em campo, aproveitou os vacilos para capitalizar em cima. Aos cinco minutos, uma retomada rápida depois de um passe errado de Philippe Coutinho. Aubameyang, livre, completou cruzamento com uma bela finalização, que Simon Mignolet defendeu, mas no rebote Mkhitaryan marcou.

Antes que o Liverpool absorvesse o golpe, veio outro gol. Aos nove, bola retomada no campo de defesa, Marco Reus avançou com a bola e colocou na medida para Aubameyang, nas costas de Sakho. O atacante finalizou com força, no ângulo e marcou 2 a 0. O cenário era terrível para o time de Jürgen Klopp.

“Criem um momento que você possa contar aos seus filhos, aos seus netos”. Foi assim que o técnico do Liverpool motivou os seus jogadores no intervalo. Era hora de buscar a alma, porque nem que o time fosse totalmente organizado poderia conseguir. Aos três minutos da segunda etapa, Origi diminuiu. Era o começo da reação.

Só que o Dortmund tratou logo de jogar um balde de gelo no time vermelho. Em mais um contra-ataque, Marco Reus recebeu em velocidade na esquerda e tocou colocado para marcar 3 a 1. Eram 12 minutos. Parecia que a classificação estava definida. O Liverpool precisaria virar o jogo com mais três gols para se classificar. Precisava de um milagre. E ele veio.

Aos 21 minutos, Philippe Coutinho diminuiu o placar para 3 a 2 com um belo chute de fora da área. Aos 32, Sakho, dentro da área, aproveitou o momento de abafa do Liverpool para empatar o jogo. O Liverpool tinha pouco menos de 15 minutos para buscar o gol da classificação. O Dortmund, tão atordoado quanto o seu adversário no primeiro tempo, via a vantagem ruir e a torcida do Liverpool fazer todo barulho.

O gol da classificação só saiu aos 46 minutos. E veio muito por causa da inteligência de dois jogadores. O Liverpool tinha uma cobrança de falta para fazer. Milner, o jogador das bolas paradas, estava posicionado. Levantaria para a área, se seguisse o roteiro tradicional. Não fez isso. Tocou no lado direito, para Sturridge. O atacante se enrolou com a bola, mas ainda conseguiu tocar de novo para Milner, que se esforçou para cruzar a bola no limite da linha de fundo. Lovren subiu e cabeceou para as redes.

Um jogo cardíaco, como é característico do seu técnico. Klopp ainda não deslanchou no comando do Liverpool como se espera, mas há muitos atenuantes para isso. A torcida espera que o time possa render mais quando ele puder remontar o elenco para, aí sim, torná-lo à sua imagem, como foi no Dortmund.

Esta quinta-feira de Liga Europa foi desses momentos para gravar permanentemente na memória dos torcedores. Uma vitória época, um dia épico e uma esperança que os dias possam ser melhores. O Liverpool tem mais chance de chegar à Champions League pela Liga Europa do que pela Premier League. Só que isso é o que menos importa. O que importa é o sonho de mais uma taça. E esse sonho se manteve vivo.

Os gols: