Nesta terça-feira, a Uefa confirmou o adiamento da Eurocopa rumo a 2021, diante da pandemia de coronavírus. Horas depois, a confederação continental publicou um novo documento, assinado em conjunto pela Associação Europeia de Clubes, pela Ligas Europeias e pela FifPRO – entidades que representam clubes, ligas e futebolistas profissionais. Neste novo anúncio, as diferentes partes se comprometeram a terminar as ligas nacionais e as competições continentais até 30 de junho, caso a situação geral de saúde pública melhore e a retomada das partidas seja permitida.

“Como representantes das principais organizações do futebol profissional europeu, as partes consideram que é seu dever assumir uma liderança responsável em desenvolver uma abordagem única em resposta à pandemia, que levou à suspensão da grande maioria das competições no continente. Com isso em mente, e reiterando seu compromisso fundamental de proteger a saúde, a segurança e o bem-estar de jogadores, clubes, torcedores, oficiais, funcionários e a comunidade mais ampla do futebol, as partes discutiram e unanimemente concordaram com os princípios de um plano de contingência referente à temporada 2019/20”, declara o comunicado.

As competições de clubes estipulam 30 de junho como data-base para determinar seus campeões. Obviamente, a situação dependerá da evolução do combate ao coronavírus. Para tanto, os diferentes campeonatos poderão recorrer a fórmulas alternativas para concluir suas temporadas. As entidades se comprometem a organizar jogos por ligas nacionais no meio da semana, se for necessário, assim como os torneios continentais nos finais de semana. Além disso, em caso de uma conclusão tardia da temporada, depois de 30 de junho, também adaptarão as fases eliminatórias da Champions e da Liga Europa para 2020/21.

Em relação aos jogos de seleções, a repescagem da Eurocopa será adiada para junho de 2020, caso a situação assim permita. A Euro, por sua vez, acontecerá entre 11 de junho e 11 de julho de 2021. Além do mais, a mudança nas datas provocará alterações também nas Eliminatórias à Copa de 2022, na Liga das Nações, no Campeonato Europeu-Sub-21 e na Eurocopa Feminina – todas as competições anteriormente previstas para a janela entre junho e julho de 2021. Os clubes se comprometeram a liberar os jogadores para todos os torneios remarcados.

Representantes da Uefa, das ligas e dos clubes também comporão um grupo de trabalho para estudar o calendário e criar soluções para a conclusão da atual temporada “de maneira coerente” – conforme frisam. Também será formado outro grupo para avaliar o impacto econômico da suspensão dos campeonatos por causa do coronavírus, no intuito de propor medidas para abrandar as consequências da pandemia.

“As partes estão convencidas de que este plano de contingência é a melhor ação neste momento. Ele leva em consideração o conselho de especialistas em saúde, bem como as ordens restritivas emitidas pelos governos nacionais e pelas autoridades locais. Também permite flexibilidade, como os eventos justificam, com a esperança de retomar as competições diante das torcidas ao redor da Europa assim que for apropriado e prudente, para que a temporada seja concluída”, complementa o comunicado. Segundo as entidades, a situação será monitorada diariamente e as organizações apoiarão as ações de conscientização sobre o coronavírus.