Os capitães dos 20 clubes da Premier League lideraram discussões nas últimas semanas para lançar um fundo de apoio ao combate contra a pandemia de coronavírus, especialmente reservando fundos ao Sistema Nacional de Saúde (NHS, sigla em inglês). O projeto “PlayersTogether (jogadores juntos) foi lançado nesta quarta-feira, para distribuir dinheiro “com rapidez e eficiência onde ele for mais necessário”.

A iniciativa louvável dos jogadores torna-se mais um elemento na discussão pública do futebol inglês sobre quem tem que cortar mais a própria carne durante a pandemia. Políticos, público e dirigentes como Daniel Levy, presidente do Tottenham, pressionam os jogadores a aceitarem reduções salariais. A Premier League pretendia propor um corte de 30% em reunião no último sábado.

A PFA (Sindicato dos Jogadores), no entanto, quer ter certeza que o dinheiro economizado com os jogadores irá para garantir os vencimentos dos funcionários mais vulneráveis dos clubes e não para os bolsos dos donos, alguns dos quais, como os de Tottenham, Newcastle, Norwich e Bournemouth, anunciaram que usarão o programa de retenção de emprego do governo que cobrirá 80% dos salários até £ 2,5 mil.

Houve diversas conversas aos longos das últimas semana sobre a melhor maneira de compor o fundo, especialmente em relação a quanto cada um doaria, considerando que há jogadores na Premier League que ganham muito mais do que outros, e ninguém queria parecer menos solidário. A solução foi não divulgar quanto cada um doou, mas haver apenas um montante centralizado entre todos os contribuintes.

Segundo o Guardian, alguns também quiseram escolher hospitais mais próximos de seus clubes para enviar as doações, enquanto estrangeiros queriam fazer a sua parte pelos sistemas de saúde de seus respectivos países. Os capitães tentaram fixar uma porcentagem com base no que os jogadores ganhariam referentes aos meses de abril e maio.

O fundo será administrado por Jordan Henderson, do Liverpool, um dos principais líderes do movimento, Harry Maguire, do Manchester United, Mark Noble, do West Ham, e Troy Deeney, do Watford.

“Ao longo da última semana, nós, grupo de jogadores da Premier League, realizamos várias discussões com a visão de criar um fundo que possa ser usado para distribuir dinheiro para onde ele for maias necessário na crise da COVID-19; ajudar aqueles que estão lutando por nós na linha de frente do NHS, assim como em outras áreas de necessidade. Este é um momento crítico para nosso país e para nosso NHS e estamos determinados a ajudar da maneira que pudermos.

Podemos confirmar que, após longas conversas entre um imenso número de jogadores dos clubes da Premier League, criamos nossa própria iniciativa coletiva chamada #PlayersTogether e fizemos parceria com a NHS Charities Together (NHSCT, organização guarda-chuva de mais de 150 caridades do sistema nacional de saúde britânico) para ajudá-los a gerar e distribuir fundos com rapidez e eficiência onde eles forem mais necessários.

As contribuições que esta iniciativa gerar ajudarão o NHSCT a rapidamente garantir fundos à linha de frente de apoio em diversas maneiras, incluindo ajudar a melhorar o bem-estar dos funcionários do NHS, voluntários e pacientes impactados pela COVID-19, assim como ajudá-los em seu trabalho apoiando muitas áreas críticas, agora e em longo prazo.

O #PlayersTogether é sobre nós, jogadores, colaborando juntos para criar uma iniciativa voluntária, separada de outras conversas com clubes e ligas, que possa ajudar a arrecadar fundos necessários para quem precisa no momento. Tentar ajudar, junto com muitos outros neste país, a fazer a diferença.

Nossas orações e pensamentos estão com todos os afetados por esta crise. Juntos, vamos passar por isso.

Fique em casa. Proteja o NSH. Salve vidas”