O RB Leipzig precisará esperar mais para inaugurar sua sala de troféus de primeiro escalão. A nova força do futebol alemão, vice-campeã da Bundesliga 2016/17, ganhou cada vez mais manchetes nas últimas temporadas, mas ainda não estava pronta para bater de frente com o Bayern de Munique. Com relativa tranquilidade e um Robert Lewandowski decisivo, os bávaros venceram por 3 a 0 a final da Copa da Alemanha no Estádio Olímpico de Berlim e garantiram a dobradinha doméstica depois de vencer também a Bundesliga (da qual é o atual heptacampeão).

Um lance aos 12 minutos do primeiro tempo já mostrava que para bater o Bayern seria preciso mais do que vontade e qualidade. Em cobrança de escanteio, Youssuf Poulsen subiu mais alto que a defesa e cabeceou forte. Neuer mostrou grande reflexo para desviar a bola rumo ao travessão. O time de Leipzig fazia o seu jogo e agradava ao técnico Ralf Rangnick, mas os bávaros não tardaram a abrir o marcador.

Aos 29 minutos da primeira etapa, Coman esperou a ultrapassagem de Alaba e passou para o austríaco. O lateral levantou a bola na área, e Lewandowski cabeceou com firmeza para fazer 1 a 0. Por volta do momento do gol, o Bayern elevou sua atuação e passou a criar mais chances. Poderia ter saído para o intervalo com 3 a 0 no placar, mas perdeu boas oportunidades, entre elas uma finalização de Coman salva em cima da linha por Konaté após o francês driblar o goleiro Gulácsi.

Manuel Neuer teve sua titularidade contestada devido a uma lesão, mas o goleiro estava pronto para mais uma vez provar errados seus críticos. Logo aos dois minutos do segundo tempo, Forsberg saiu na cara do alemão e bateu com jeito, mas viu o arqueiro fazer defesaça para evitar o empate.

O Bayern então conduziu bem a partida, enquanto sua torcida protestava nas arquibancadas com faixas criticando os preços dos ingressos impostos pela Federação Alemã, que cobrou € 60 pela entrada mais barata na final.

Aos 33 minutos da etapa complementar, Coman iniciou jogada que ele mesmo concluiu mais tarde. Depois da troca de passes, a bola sobe e cai nos pés do francês, que com um belo domínio e um corte preciso se livra da marcação e chuta na saída de Gulácsi para fazer 2 a 0. Todos os olhos estavam no ponta, mas Lewandowski mais uma vez teve participação providencial, segurando Konaté e impedindo que o zagueiro francês chegasse em seu conterrâneo.

Sete minutos mais tarde, um chutão de Kimmich virou lançamento para Lewa. O centroavante ganhou na velocidade de Konaté, bateu o zagueiro no corpo a corpo e, com uma cavadinha, tirou qualquer chance de Gulácsi defender. Uma arrancada incrível para um jogador de 30 anos aos 4o do segundo tempo, fazendo 3 a 0.

As inevitáveis entradas de Robben e Ribéry, o primeiro indo a campo ainda com o placar em 1 a 0, deram o toque final à despedida dos bávaros na temporada. Niko Kovac, apesar da dobradinha doméstica, a primeira do Bayern desde Guardiola em 2015/16, balança no cargo e, segundo a imprensa alemã, está ameaçado no cargo mesmo com os títulos neste ano.

E olha que a temporada foi repleta de marcas para o croata: a dobradinha, destaque por si só, significou que Kovac é agora o primeiro a conquistar a marca na Alemanha como jogador e como treinador, o primeiro técnico desde Felix Magath em 2005 a ganhar duas Copas da Alemanha seguidas e, por fim, o primeiro comandante a levar o torneio por duas equipes diferentes de forma consecutiva (venceu o próprio Bayern pelo Frankfurt no ano passado).

O que podemos dizer? O sarrafo em Munique é bastante alto.