Robert Lewandowski alcançou nesta semana o posto de terceiro maior artilheiro da história da Bundesliga. O gol que abriu o placar na vitória por 3 a 1 sobre o Freiburg levou o polonês a 221 tentos desde que chegou ao Campeonato Alemão, em 2010. O centroavante mantém uma média excelente de 22 gols por campanha. Foram 74 tentos pelo Borussia Dortmund em quatro temporadas, uma marca a um gol de ser dobrada nestes cinco anos e meio de Bayern, com 147 bolas nas redes. A atual campanha, aliás, nem chegou na metade e o artilheiro já superou suas duas piores temporadas. No atual ritmo, com 19 anotações em 16 partidas, pode até igualar o recorde de Gerd Müller em uma só edição da Bundesliga, com 40 gols no total.

Já o número absoluto de Gerd Müller parece mais distante. O velho Panzer assinalou 365 gols apenas pela Bundesliga. Lewandowski precisaria de mais uns cinco anos insaciáveis para tirar a diferença de 144 tentos. Bem mais palpável é o segundo lugar, de Klaus Fischer, com 268 gols. E, de qualquer maneira, o polonês precisa ser parabenizado por superar uma lenda para entrar no pódio. Jupp Heynckes construiu uma carreira de técnico tão brilhante que, muitas vezes, seus feitos como jogador terminam esquecidos por isso. No entanto, o centroavante também empilhava tentos na época de Borussia Mönchengladbach. Campeão da Euro 1972 e da Copa de 1974, só não tinha mais espaço na seleção por ser contemporâneo de Gerd Müller.

Heynckes precisou de apenas 13 anos para assinalar os seus 220 gols na Bundesliga. Entre os 50 maiores artilheiros do campeonato, sua média também é a quinta maior: 0,6 tentos por aparição, um número excelente. Suas únicas temporadas com dez gols ou menos aconteceram pelo Hannover 96, em uma passagem de três temporadas após surgir com o Gladbach. Ao voltar aos Potros em 1970, manteve uma média de 21 gols por campanha e chegou ao ápice de 30 tentos em 1973/74. Seria artilheiro do Campeonato Alemão naquele ano e também no próximo, além de conquistar quatro títulos com os alvinegros, incluindo um tricampeonato seguido.

O faro de gols de Heynckes faria estragos em outras competições. O artilheiro possui 45 gols em 54 partidas pelas três principais competições europeias (Champions, Copa da Uefa e Recopa), com uma média ainda melhor que na Bundesliga. Fez 11 na campanha que levou o Borussia Mönchengladbach ao título da Copa da Uefa em 1974/75, incluindo uma tripleta no segundo jogo da final contra o Twente. Além disso, seriam mais 24 tentos pela Copa da Alemanha. É o maior goleador da história do Gladbach, com 291 bolas nas redes, e guardou mais 14 em 39 atuações pela seleção alemã.

Heynckes encerrou a carreira relativamente cedo. Estava às vésperas de completar 33 anos de idade quando disputou o seu último compromisso pelo Borussia Mönchengladbach. E a despedida deixou claro como poderia render mais. Na rodada final insana da Bundesliga 1977/78, o Gladbach dependia do saldo de gols para superar o Colônia na liderança e buscar o tetra consecutivo do campeonato. Os Potros enfiaram 12 a 0 sobre o Borussia Dortmund e, sozinho, Heynckes marcou cinco. O problema é que os Bodes também assinalaram 5 a 0 no St. Pauli e permaneceram à frente graças ao saldo superior.

Após encerrar sua trajetória nos gramados, Heynckes realizou sua preparação para se tornar técnico e assumiu o Gladbach em 1979. Entre os descaminhos da vida, sua capacidade com a prancheta o transformou em um dos maiores condutores da história do Bayern. E seria ele um dos comandantes a potencializar a veia artilheira de Lewandowski. Sob as ordens do veterano, o polonês assinalou 20 gols em 22 partidas de Bundesliga, uma média só inferior à registrada com Carlo Ancelotti entre os técnicos dos bávaros no período em que está lá.

“Ele merece me ultrapassar. Foi um privilégio para mim ter trabalhado com Robert. O que me impressionou nele foi seu profissionalismo, sua ambição, sua paixão e seu condicionamento. Ele mostra, particularmente nesta temporada, como está entre os melhores do mundo”, exaltou Heynckes, à Deutsche Presse-Agentur. Humildade de quem reconhece o talento. E que, de certa forma, ajudou Lewa a aprimorá-lo. O pupilo supera o mestre.

Abaixo, um vídeo que ressalta o talento de Heynckes dentro da área, com seus cinco gols mais bonitos pela Bundesliga: