Leste Europeu

[Documentário] O papel dos ultras na guerra civil que se desdobra na Ucrânia

A partir de novembro de 2013, a Ucrânia se transformou em um enorme barril de pólvora. A recusa do presidente Viktor Yanukovych em assinar um acordo que aproximava o país da União Europeia resultou em diversos protestos, sobretudo na capital Kiev. A faísca que fez explodir o conflito civil que perdura, entre aqueles que pretendem se aproximar dos ocidentais e os que preferem revigorar os laços com a Rússia. Alguns focos de tensão já se apaziguaram, como na Crimeia, anexada pelos russos em 2014. No entanto, ainda há tiros sendo trocados, principalmente na região de Donbass, onde há um forte movimento separatista.

VEJA TAMBÉM: Como fica a situação do futebol ucraniano após o referendo da Crimeia?

Neste contexto, os ultras dos clubes ucranianos tiveram um papel central no conflito. O envolvimento se deu a partir dos protestos em Kiev, em embates contra as forças de segurança do governo. Posteriormente, os organizados passaram a ser recrutados dentro dos próprios estádios, para comporem as forças que combateriam os separatistas e o exército russo, que intervinha na Ucrânia. Os ultras formaram cerca de 60% do batalhão conhecido como Azov, composto por voluntários e que lutou em diferentes partes do território.

O nacionalismo se tornou a principal motivação dos ultras na guerra, ainda que não fossem necessariamente partidários de uma ocidentalização da Ucrânia. Em um cenário no qual as motivações e os atores são muitos, distante da dicotomia entre “bem e mal”, boa parte dos voluntários também possui visões políticas ligadas ao neonazismo – o que, para especialistas, configura em um temor para o que possa acontecer no pós-guerra.

VEJA TAMBÉM: A união das torcidas turcas contra o autoritarismo do governo virou filme

Abaixo, reproduzimos um interessante documentário sobre o envolvimento dos ultras na guerra civil ucraniana – partindo de um ponto de vista nacionalista, diga-se. Ele mostra como torcidas, antes inimigas, se juntaram no front pelo mesmo intuito. A trégua nos estádios da Ucrânia já dura dois anos e, segundo os torcedores que se transformaram em soldados, deverá se manter por esta geração. Além disso, a produção enfatiza a maneira como os ultras auxiliaram os ucranianos a contarem com um exército já pronto para as batalhas, especialmente pela mentalidade e pela preparação física.

A dica é do Ultras-Tifo.net. O áudio está em ucraniano, mas há legendas em inglês.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo