Lesões, lesões e mais lesões. O que o técnico Louis van Gaal enfrentava nesta semana ppelo Manchester United era uma enxurrada de lesões. Um time inteiro (e mais reservas) estavam indisponíveis para a partida. Com 13 lesionados, o técnico não teve opção a não ser chamar (mais) garotos para jogar. E quem diria que um deles se tornaria o protagonista de uma semana tão incrível. Marcus Rashford, que em seu primeiro jogo profissional, pela Liga Europa na quinta, foi o grande nome na vitória por 5 a 1 que classificou o time. Neste domingo, ele foi novamente o nome do jogo contra o Arsenal, desta vez em uma vitória por 3 a 2. Uma vitória gigante.

LEIA TAMBÉM: Vitória no final, com gol de reserva e o Leicester mantém viva a esperança

Gigante porque o Arsenal é um dos melhores times ingleses da temporada. Bem melhor que o próprio Manchester United, por exemplo, com desempenhos que convenceram mais. E vendo a distância para o grupo de cima aumentar e as chances de ficar fora da próxima Champions League, o que o Manchester United precisava era de uma vitória convincente. Porque além dos três pontos, daria esperança para o torcedor para que o time continuasse somando pontos.

A vitória por 3 a 2 sobre o Arsenal veio em um jogão em Old Trafford. Só que mais do que isso, o que impressionou foi o uso de garotos. Van Gaal, é justo dizer, tem por característica lançar jogadores. Não é algo incomum para ele. Só que o Manchester United foi um dos que mais gastou dinheiro na janela de transferências na Premier League nesta temporada. Foram € 139,7 milhões gastos com nomes como Anthony Martial (€ 50 milhões), Morgan Schneiderlin (€ 35 milhões), Memphis Depay (€ 27,5 milhões), Matteo Darmin (€ 18 milhões) e Bastian Schweinsteiger (€ 9 milhões). Destes todos, Depay foi titular neste domingo junto com Schneiderlin. Os demais estão lesionados.

A escalação de Van Gaal trouxe alguns garotos. Guillermo Varela, por exemplo, já estava no clube desde 2013, mas sem ser aproveitado. Com a ausência de Darmian, ele surgiu como opção e foi muito bem. No ataque, dois nomes das categorias de base brilharam. Jesse Lingard, que ganhou o seu espaço ao longo da temporada, vem sendo um jogador importante e, novamente, deu assistência para um dos gols. E o gol foi de Marcus Rashford, 18 anos completados em outubro.

Rashford já ganhou a notoriedade na Inglaterra pelo desempenho no meio da semana. Fez dois gols quando o time perdia por 1 a 0 em casa para o fraco Midtjylland. Foi ele quem marcou os gols que tiraram o time da pressão e abriram espaço para uma goleada por 5 a 1 que classificou o time. Marcar dois gols em seu primeiro jogo profissional é sempre difícil; em um clube grande como o Manchester United, mais ainda; em uma situação que o time está perdendo, mais complicado ainda. E ele fez.

Com essas credenciais, ganhou a vaga no time titular deste domingo para enfrentar o Arsenal. Claro, porque o time não tinha nenhum dos seus atacantes principais, como Rooney e Martial. Só que isso abriu espaço para Marcus Rushford escrever mais história. Marcou dois gols no primeiro tempo e mostrou uma capacidade artilheira impressionante. Os dois gols foram de alguém que aproveitou muito bem a chance que teve, porque ele pegou pouco na bola.

O primeiro tempo teve o Manchester United abrindo 2 a 0 com os dois gols de Rushford, Welbeck, fazendo jus à lei do ex, marcou um. No segundo tempo, em nova jogada de Rashford, o United ampliou para 3 a 1, antes de Mesut Özil, outro destaque do time do Arsenal, conseguir descontar. Ele já tinha dado o passe para o gol de Welbeck, chegando a 18 assistências e se aproximando do recorde em uma temporada, de Thierry Henry.

Durante o jogo, Van Gaal ainda colocou em campo Timothy Fosu Mensah, mais um garoto da base, além de Adnan Januzaj, outro garoto que surgiu já no final da gestão de Alex Ferguson, e James Weir, outro garoto, que já entrou nos acréscimos para gastar o tempo. Garotos que provavelmente teriam menos tempo se o time não tivesse tantos problemas com lesões. Não quer dizer que as lesões sejam boas. Só mostra que o clube deveria olhar mais para a base em vez de contratar tanto quanto fez nas duas últimas temporadas, com tantos problemas.

O Manchester United consegue uma vitória importante que o coloca em quinto lugar, a três pontos do Manchester City (que fica com um jogo a menos, por causa da Copa da Liga). Para quem almeja, ainda, chegar à Champions League. Isso sem falar no duelo com o Liverpool.

Já o Arsenal se colocou em uma posição difícil. O time sonha com o título, mas vê a situação ficar complicada. Fica a cinco pontos do Leicester e enfrenta, na próxima semana, o Tottenham na casa do rival, White Hart Lane. Não pode nem pensar em perder, porque ficaria a seis pontos também deste time. Para quem luta pelo título, esta foi uma derrota mutio dolorida.

Veja os lances dos gols: