A principal competição de clubes do continente asiático chega, nesta quarta-feira, à sua antepenúltima etapa. Com quatro partidas, começam as quartas de final da Liga dos Campeões da Ásia. Das 35 equipes que começaram a disputa, apenas oito, representando cinco países, continuam sonhando com o título – e a vaga para o Mundial de Clubes da FIFA, nos Emirados Árabes, em dezembro.

As atenções para esta fase estão principalmente voltadas para o confronto japonês que reúne Kawasaki Frontale e Nagoya Grampus. Primeiro, porque a decisão da Liga dos Campeões será disputada em solo japonês, mais precisamente no Estádio Nacional de Tóquio, em 7 de novembro. Depois, porque o vencedor deste confronto terá a responsabilidade de lutar pelo terceiro título consecutivo do país no torneio, já que Urawa Red Diamonds, em 2007; e Gamba Osaka, no ano passado; foram os campeões continentais.

O Kawasaki Frontale vive um bom momento na J-League, onde ocupa a quarta colocação, com 43 pontos. Apesar de ainda a sete pontos do líder Kashima Antlers, o Kawasaki, dirigido por Takashi Sekizuka poderia estar ainda melhor na tabela (o jogo contra o próprio Kashima, que foi interrompido pela chuva a 15 minutos do fim, terá sua continuação disputada em 7 de outubro; o Kawasaki está vencendo por 3 a 1) e ainda tem chances reais de lutar pelo título nacional.

Já o Nagoya Grampus, do técnico sérvio Dragan Stojkovic, vem se recuperando na competição nacional. Venceu quatro de seus últimos cinco jogos e ocupa a oitava colocação, com 38 pontos. O time ainda tenta se aproximar do pelotão que briga por uma vaga na Liga dos Campeões da temporada que vem – os três primeiros colocados se classificam.

Kawasaki Frontale e Nagoya Grampus se enfrentaram há um mês, já pelo returno da J-League. Com dois gols do brasileiro Juninho, o Kawasaki venceu o jogo. Porém, o técnico Sekizuka já alertou seus jogadores. “Eles modificaram muito a equipe desde então. Estão motivados e tem uma equipe muito forte”.

A partida desta quarta-feira acontece no Estádio Nacional, em Tóquio. O jogo de volta, na quarta-feira que vem, será disputado em Nagoya.

Umm-Salal x FC Seoul
Em Doha, no Catar, o Umm-Salal recebe o FC Seoul, da Coreia do Sul, tentando uma vitória para minimizar o início ruim na Qatari Stars League. O time do técnico francês Gerrard Gilli foi goleado pelo rival Al-Sadd, na estreia do campeonato local: 5 a 0. Na quinta-feira, nova derrota, diante do Al Wakrah, 3 a 2. O Umm-Salal é o lanterna da liga catariana.

Mas nem isso abala a confiança de Gilli em passar para as semifinais da LC asiática. “Temos boas chances de classificar porque temos qualidade no nosso ataque. Temos jogadores experientes em nossa equipe. Sabemos que o Seoul é um bom time, mas já temos nossa estratégia montada e tenho certeza que faremos um bom jogo”, analisou.

Do lado coreano, a situação é oposta. O FC Seoul lidera a K-League, com 42 pontos ganhos, e o time vem motivado para chegar à semifinal. O técnico turco Senol Gunes diz que a má campanha na liga local não serve como referência para o Umm-Salal nestes confrontos. “Eles jogaram apenas dois jogos no campeonato local. É um campeonato longo. O foco do Umm-Salal na Liga dos Campeões é bem maior. Eles vão entrar bem mais concentrados. É uma equipe com dois bons atacantes (os brasileiros Magno Alves e Davi), mas nem por isso vamos jogar na defesa. Vamos atacar, como sempre fazemos”.

O jogo de volta acontece dia 30, em Seul.

Bunyodkor x Pohang Steelers
O duelo de treinadores brasileiros é uma das atrações do confronto entre o Bunyodkor, do Uzbequistão; e Pohang Steelers, da Coreia do Sul. De um lado, Luiz Felipe Scolari, cuja equipe lidera o campeonato uzbeque com a incrível marca de 23 vitórias consecutivas em 23 rodadas. Do outro, Sérgio Farias, que, à época do sorteio que colocou o Bunyodkor como adversário, declarou que os dois únicos pontos fortes da equipe uzbeque eram Scolari e o meia Rivaldo.

O Bunyodkor joga a primeira partida em Tashkent, mas não terá alguns jogadores importantes, como o zagueiro brasileiro Edson Ramos e o meia-atacante chileno José Luis Villanueva. Já o Pohang Steelers tem toda a equipe à disposição, com destaque para o brasileiro Denilson e o coreano Choi Hyo-jin, que marcou três gols na goleada diante do Newcastle Jets, da Austrália, nas oitavas de final.

Felipão reconhece a força do adversário, e sabe que o time coreano vai jogar ofensivamente. “Nós vamos fazer o nosso melhor para tentar vencer a partida, mesmo sabendo que o Pohang tem um time muito mais experiente que o nosso. Mas o fato deles serem mais experientes não significa que nós vamos perder o jogo. Vamos lutar até o final”.

Sérgio Farias, por sua vez, vai lançar o time ao ataque, atuando no 4-3-3 que vem dando certo na K-League – onde o time ocupa a terceira colocação, e briga diretamente com FC Seoul e Jeonbuk Hyundai Motors pelo título.

– Não temos que mudar o nosso estilo de jogo. Para conseguir um bom resultado, temos que ser ofensivos, ainda mais que os gols fora de casa têm um peso maior neste confronto. As duas equipes têm condição de vencer – analisou.

A partida de volta será disputada em Pohang, no dia 30 de setembro.

Pakhtakor x Al-Ittihad
O primeiro jogo entre Pakhtakor e Al-Ittihad acontece nesta quinta-feira em Tashkent, no Uzbequistão. O time da casa, único a jogar todas as edições da LC asiática em seu novo formato, passou por momentos de turbulência durante a temporada, tenta pela terceira temporada alcançar às semifinais da competição. Já o Al-Ittihad quer seu terceiro título desde foi instituído o novo formato do torneio (o time saudita foi bicampeão em 2004/05).

Praticamente sem chances na liga nacional, há 19 pontos do líder e principal rival Bunyodkor, o Pakhtakor sagrou-se campeão da Copa do Uzbequistão, o que motivou os comandados de Viktor Djalilov. O time sabe que é o azarão no confronto e tentará armar uma surpresa para os visitantes. “Sabemos da força do Al Ittihad. A equipe deles está iniciando agora a temporada e tem poucos problemas para o jogo”, declarou Djalilov.

O Al-Ittihad, atual campeão saudita, venceu seus três primeiros jogos na liga nacional, liderando com 9 pontos ganhos. Treinado pelo argentino Gabriel Calderón, o time participou em julho da Copa da Paz, na Espanha – onde empatou com o Real Madrid, em 1 a 1 – e tem como principal destaque o meia Mohamed Nour. O atacante Naif Hazazi desfalca a equipe, já que se contundiu na partida da seleção saudita contra o Bahrein, pelo play-off de classificação para a Copa do Mundo.

O jogo de volta será disputado em Jeddah, na quarta-feira da próxima semana, dia 30.