A Argentina vive uma grande seca de títulos e terá na Copa América, que começa nesta sexta-feira, mais uma chance para tentar quebrar esse longo período sem título – o último foi justamente uma Copa América, em 1993. Para Manuel Lanzini, jogador do West Ham e que esteve no elenco da Argentina nas edições de 2015 e 2016, a pressão sobre a albiceleste será dobrada, em entrevista à Betway.

“Todos estão lutando opor um sonho, não só os 23 que vão para a Copa América, mas todo o país que está observando, estão lutando por você, estão te dando energia”, afirmou Lanzini. “A pressão, obviamente, será em dobro. Mas ao ser jogador de futebol, sabe que tem que conviver com isso e tem que fazer da melhor maneira possível. E também sabendo que tem que respeitar o torcedor, que encoraja você e está com você”, disse ainda o meia argentino, que desta vez ficou fora do elenco comandado por Lionel Scaloni para a Copa América.

Lanzini, Felipe Anderson, ambos do West Ham, e Jonathan Calleri, do Alavés, falaram sobre suas lembranças da Copa América e as expectativas para o torneio de 2019, no Brasil. Quando perguntados sobre suas lembranças da Copa América, Felipe Anderson lembrou de 2004, quando o Brasil estava perdendo a final contra a Argentina e conseguiu o empate nos acréscimos e a vitória nos pênaltis.

Já Calleri lembrou de 2007, quando a Argentina perdeu também a final para o Brasil, mas, para ele, aquele time com Juan Román Riquelme e Juan Pablo Sorín e outros craques foi marcante e tinha muitos craques.

Por fim, Manuel Lanzini lembrou das duas derrotas mais recentes da Argentina, 2015 e 2016, quando ele estava no grupo que perdeu as duas finais para o Chile, nos pênaltis. Uma dor, ao mesmo tempo que uma alegria por ter representado o Brasil.