Lampard questiona se é certo testar jogadores e retomar futebol enquanto funcionários de saúde precisam de exames

Frank Lampard não vê a hora de o futebol retornar, mas não a qualquer custo. Em entrevista à emissora britânica BT Sport neste sábado (2), o técnico do Chelsea questionou se seria certo retomar a Premier League, junto com todos os testes que seriam necessários a jogadores e funcionários, enquanto trabalhadores do sistema de saúde britânico (NHS) e outros funcionários de saúde não têm testes suficientes para eles próprios.

[foo_related_posts]

A Premier League ainda não tem um plano concreto de como retomaria a temporada, mas, após reunião na sexta-feira (1), os clubes reafirmaram seu desejo de encerrar o campeonato dentro de campo. Independentemente do cenário a ser encontrado, ele envolveria testes constantes dos jogadores e funcionários dos clubes. Lampard aponta o alto número de trabalhadores no Chelsea para questionar quantos testes seriam necessários e se seria correto fazê-los enquanto tantos trabalhadores na linha de frente do combate ao coronavírus estão precisando desses exames.

“Provavelmente teremos no mínimo 70 ou 80 funcionários em Cobham (centro de treinamento do Chelsea) se formos recomeçar os treinamentos e teremos que testar regularmente. Quando olhamos para o resto do mundo, não sei qual o número de testes que existe para os funcionários de saúde, do NHS e todas as pessoas que têm feito um incrível trabalho nos últimos dois meses”, argumentou.

Para Lampard, é importante que o futebol “assuma o seu lugar” na sociedade. “Acho que não cairia bem, não só comigo, mas com todo mundo, se não garantíssemos que as pessoas da linha de frente estejam sendo testadas.”

Lampard reconheceu o anseio da população pela retomada do futebol, mas manteve os pés no chão ao comentar o assunto. O ex-jogador entende o papel que o esporte teria neste momento, como válvula de escape à realidade, mas chama a atenção para os obstáculos a serem superados, especialmente os de garantia de segurança aos envolvidos no espetáculo.

“Estamos todos desesperados para ver futebol, para jogar e treinar novamente. Entretanto, não podemos arriscar a saúde dos jogadores e dos funcionários trabalhando no futebol e precisamos respeitar o trabalho fantástico que o NHS e os funcionários de saúde têm feito.”

Lampard recebeu bem as informações de que os organizadores da Premier League, assim como os clubes, teriam como prioridade a saúde e a segurança dos envolvidos e gostariam de ouvir técnicos e jogadores, mas afirma que isso ainda não aconteceu. Além disso, o técnico questiona se, em um esporte de contato como o futebol, seria possível garantir tal segurança.

“No momento, o país tem praticado muito bem o distanciamento social, mas o fato de que jogamos um esporte de contato me faz pensar: ‘Como é que vamos garantir que não estamos colocando os jogadores em risco nas próximas semanas se pudermos chegar a um estágio em que isso (o retorno do futebol) possa acontecer?’.”

Por fim, o treinador do Chelsea levanta outras questões que hoje ainda representam obstáculos à retomada do futebol: “Temos os problemas sobre a integridade do futebol, como a questão dos campos neutros e dos jogadores sem contrato, então há muitas conversas (a serem tidas), e acho que isso está muito claro no momento”.

Seguindo recomendações da polícia, os clubes da Premier League teriam colocado como pré-requisito para a retomada do futebol a realização das partidas restantes em campos neutros. Seriam de oito a dez estádios, todos localizados em regiões de menor densidade populacional, e os jogos, é claro, precisariam ser feitos com portões fechados.