Um clássico tem características muito peculiares, sejam aqueles mais antigos, sejam os mais novos. El Trafico é um clássico recente, que surgiu em 2018, ano de estreia do Los Angeles Football Club na MLS. O Los Angeles Galaxy existe desde o início da liga, surgido em 1994, dois anos antes do início da MLS, em 1996 e é o maior campeão da liga. Nos cinco jogos anteriores, eram três empates e duas vitórias do Galaxy. Até esta quinta-feira. No Estádio Banc of California, o LAFC levou a melhor sobre o rival pela primeira vez em um jogo cheio de gols e um placar de 5 a 3. E Carlos Vela levou a melhor sobre Zlatan Ibrahimovic pela primeira vez, e logo nos playoffs.

“Quando tá valendo, tá valendo”. A frase é de Ronaldinho, então jogador do Atlético Mineiro, depois de atropelar o São Paulo nas oitavas de final da Libertadores de 2013. Naquele ano, os dois clubes caíram no mesmo grupo e, no último jogo desta fase, o São Paulo precisava vencer o Galo no Morumbi para se classificar. Venceu, se classificou e acabou enfrentando o próprio time mineiro nas oitavas de final. E foi atropelado pelo time de Ronaldinho, Diego Tardelli, Bernard e Jô, comandado por Cuca. Foi quando saiu de campo que Ronaldinho proferiu a frase, que entrou para a história.

A vitória do Los Angeles Football Club vem logo no duelo que mais valia entre os dois. Todos os anteriores foram pela fase regular da MLS. Desta vez, porém, eram os playoffs. O time de Carlos Vela era o melhor ao longo de toda a temporada. Terminou com o Supporters’ Shield, troféu dado ao time de melhor campanha na temporada e que já garante vaga no torneio continental, a Champions League da Concacaf – carinhosamente apelidada de Concachampions.

As duas superestrelas entregaram o que se esperava delas. Carlos Vela, o artilheiro da MLS até ali com 34 gols, foi decisivo. Zlatan Ibrahimovic também fez a sua parte. Só que o mexicano, desta vez, levou a melhor. Não só porque fez mais gols – dois contra um, além de uma assistência para cada -, mas também porque o seu time ganhou o confronto e, assim, vai à final da Conferência Oeste.

O jogo foi bastante movimentado. O LAFC conseguiu sair em vantagem logo aos 16 minutos, com Diego Rossi fazendo a jogada pelo meio e abrindo para Carlos Vela. Ele driblou o marcador, chutou no canto e marcou 1 a 0. Aos 40 minutos, em um lance bastante duvidoso – o VAR checou e não encontrou impedimento, embora a imagem na transmissão tenha dado a impressão de posição irregular –, Brian Rodriguez recebeu e tocou para o meio, onde Carlos Vela estava livre para marcar 2 a 0.

Só que antes do intervalo, o LA Galaxy diminuiu. Zlatan Ibrahimovic recebeu pelo meio, ganhou no corpo da marcação e tocou para Cristian Pavón. O ex-jogador do Boca não titubeou e marcou, diminuindo o placar para 2 a 1. Veio o intervalo e, logo no início do segundo tempo, o Galaxy arrancou o empate. Ibrahimovic recebeu, tentou, a zaga bobeou e acabou entregando para o atacante, que chutou no canto do goleiro Tyler Miller. O arqueiro falhou gravemente e a bola passou: 2 a 2.

Os traumas do LAFC vieram à tona. Um time que sempre sofre na mão do rival agora estava na situação de ter que lidar com a ameaça de uma eliminação em casa. O Galaxy teve mais a bola, chutou mais a gol, foi mais perigoso, mas… Quem marcou foi o LAFC. Vela recebeu pelo meio aos 21 minutos, fez a jogada e tocou na esquerda para Diego Rossi, que finalizou cruzado e colocou o time da casa em vantagem de novo: 3 a 2.

Dois minutos depois, antes que o Galaxy pudesse se recuperar, Diego Rossi fez a jogada pela esquerda e cruzou para Adama Diomandé, que tocou de cabeça para ampliar para 4 a 2, aos 23. O jogo parecia acabado, pela vantagem. Mas o Galaxy não desistiu. O técnico Guillermo Barros Schelotto colocou em campo Rolf Feltscher, aos 28 minutos. E aos 32 minutos, Romain Alessandrini, que também tinha entrado no segundo tempo, tocou para Rolf Feltscher diminuir para 4 a 3. Parecia que teríamos um jogo nos minutos finais.

Só que o LAFC estava na noite de extirpar os fantasmas. E o fez aos 35 minutos, quando Eddie Segura tocou para Adama Diomandé, que passou pelos marcadores como se eles não estivessem por ali, deixando todos para trás e, na cara do gol, chutou para marcar: 5 a 3. Àquela altura, praticamente irreversível.

O LAFC passa à final da Conferência Oeste e vai enfrentar o Seattle Sounders, outra potência da liga, campeão em 2016. Os Sounders venceram o Real Salt Lake por 2 a 0, jogando em casa. O duelo será novamente na casa do LAFC por ter a melhor campanha, no Estádio Banco of California. A MLS Cup, final da liga, será no dia 10 de novembro, no estádio do time de melhor campanha que chegar à final.