O Atlético de Madrid passou boa parte da temporada perguntando se teria forças para se classificar à próxima edição da Champions League. Os resultados não engrenavam e, por mais que a tabela apresentasse seu equilíbrio, não era simples aos colchoneros se manterem no G-4. La Liga parou por três meses e a preocupação não mais existe a Diego Simeone. O Atleti só acumulou menos pontos que o Real Madrid neste recomeço do torneio e se vê cada vez mais tranquilo na zona de classificação à Liga dos Campeões. Nesta sexta-feira, os rojiblancos somaram mais um triunfo, com a vitória por 3 a 0 sobre o Mallorca no Wanda Metropolitano. Um resultado categórico, mesmo com toda a magia de Kubo, brilhando do outro lado.

O Mallorca era atrevido e buscava sair para o jogo desde o primeiro tempo, mas o Atlético apresentava sua superioridade e criava bem mais chances. Até demorou para anotar o primeiro gol. Foram várias oportunidades desperdiçadas, entre lances travados e finalizações ruins. João Félix teve a melhor delas, sozinho diante do goleiro, mas mandou para fora. Nada que preocupasse, já que o placar se abriria para os anfitriões aos 29.

Foi um lance parecido com o do primeiro tento diante do Barcelona: um pênalti que o árbitro mandou voltar. Marcos Llorente foi agarrado claramente na área e Álvaro Morata assumiu a cobrança. Bateu mal, parando no arqueiro Manolo Reina. Porém, o VAR flagrou a invasão dos jogadores de ambos os times na área. Cumpriu-se a regra despercebida a olho nu, Morata foi de novo para a marca da cal e caprichou, mandando no alto da meta.

João Félix aparecia, mas andava numa noite bastante descalibrada e perdeu outros gols. Quem fazia bom papel era Marcos Llorente, provavelmente o melhor jogador do Atlético neste recomeço. Desta vez atuando no meio-campo, permaneceu contribuindo ao ataque e possibilitaria o segundo gol. Foi um avanço do espanhol pela direita, até a linha de fundo, que gerou o cruzamento rasteiro para Morata completar com a meta escancarada, aos 48.

O segundo tempo viu o Atlético relaxar. E quem brilhou nos 45 minutos foi Takefusa Kubo, que já ditava o ritmo de sua equipe desde a primeira etapa. É muito bom de bola o japonês emprestado pelo Real Madrid ao Mallorca, excelente nas jogadas mano a mano. Quase tudo que os bermellones criavam passava por seus pés, numa noite para realmente justificar seu retorno aos merengues em breve. Só que o virtuosismo do garoto não significava chances reais aos visitantes, com a zaga colchonera sempre dando um jeito de bloquear. Quando o time da casa acordou um pouco mais, Renan Lodi mandou um balaço no travessão e Koke fechou a conta, aos 34. A bola pingou na entrada da área e o capitão emendou de primeira, contando com a sorte do desvio que tirou Manolo Reina da jogada.

Terceiro colocado, o Atlético de Madrid abre a rodada com 62 pontos, cinco a mais que o Sevilla e oito de sobra no G-4. Se restassem mais jogos, dava até para alcançar o Barcelona na vice-liderança. Já o Mallorca dificilmente conseguirá se salvar. Antepenúltimo colocado, está a cinco pontos de escapar do Z-3. O momento nem é tão ruim, depois da goleada sobre o Celta e do trabalho que deram ao Real Madrid. Falta, porém, emendar vitórias com mais consistência.

Classificação fornecida por SofaScore LiveScore