Toni Kroos não tem certeza se seria uma boa ideia se um jogador de futebol se revelasse homossexual, afirmou o meia alemão do Real Madrid a uma edição especial LGBT da revista GQ, segundo o diário Marca.

O jogador de 30 anos disse que o seu “senso comum” lhe diz que todos deveriam viver livremente, mas não sabe se, no meio do futebol, isso não se tornaria uma desvantagem.

“Algumas palavras são frequentemente usadas durante o jogo e, considerando as emoções que existem nas arquibancadas, não posso garantir que ele não seria insultado e diminuído”.

“Não deveria ser assim, e tenho certeza que o jogador que decidir dar esse passo teria o apoio de muitos, mas duvido que isso seria o caso em uma partida fora de casa”.

“Cada jogador tem que decidir sozinho se considera uma vantagem ou desvantagem, embora eu ache que, mesmo hoje em dia, não haveria muita vantagem”, completou.

Kroos também falou que a personalidade mais relaxada dos espanhóis influenciou a sua própria, embora ainda mantenha alguns traços típicos alemães.

”Ainda sou fã da pontualidade absoluta, algo que é mais margina aqui. Chegar 10 minutos depois é geralmente a pontualidade aqui. Quando eu apareço três minutos antes de uma reunião de equipe, sou geralmente o primeiro. Se fizesse isso na Alemanha, eu seria o último”.

“Os espanhóis também sempre abraçam e beijam todos, e eu não sou assim. Talvez seja um pouco alemão nesse caso, o que não significa que não gosto do outro simplesmente porque não gosto desse extremo contato corporal”, completou.

Kroos tem contrato com o Real Madrid até 2023.  Fez 33 jogos nesta temporada, com cinco gols.

.