Kroos: “Contra o Cádiz, ninguém jogou o que sabe e, se isso acontece, perdemos até de times da quarta divisão”

O Real Madrid teve uma semana complicada. Perdeu do recém-promovido Cádiz no fim de semana passado e depois do Shakhtar Donetsk, pela Champions League. Segundo Toni Kroos, geralmente sem muitas papas na língua em suas declarações, os tropeços merecem dois diagnósticos diferentes, mas nenhum deles foi falta de motivação.

Os ucranianos chegaram a abrir 3 a 0 no primeiro tempo, mas o Real Madrid diminuiu para 3 a 2 e até ficou perto de um empate. “Contra o Cádiz, ninguém jogou o que sabe e, se isso acontece, perdemos até contra equipes da quarta divisão”, afirmou, na entrevista coletiva antes da partida contra os alemães. “Contra o Shakhtar, faltou confiança depois do primeiro gol deles. Às vezes isso acontece e o bom é que nunca nos rendemos”.

O Real Madrid conseguiu um pouco de alívio ao bater o Barcelona no Superclássico do último sábado, por 3 a 1. “Ganhamos um jogo, mas temos outra final. Temos que jogar melhor que sábado para vencer. Não é uma questão de motivação. Depois da derrota, conversamos entre nós e deixamos isso claro. Às vezes, as jogadas não saem, é assim. Um clássico é especial, mas a liga se ganha contra os rivais menores. Vimos que não é um problema de motivação, mas às vezes não dá certo”, reforçou.

Kroos afirmou que a derrota para o Shakhtar não lhe dá medo de o Real Madrid não se classificar às oitavas de final, mas admitiu que aumentou a pressão – inclusive sobre o tricampeão europeu Zinedine Zidane. “Medo não existe para mim no futebol, mas é verdade que, se começamos com uma derrota, há pressão. Mas confio em nós e que faremos melhor”, afirmou. “Para nós, nunca houve dúvidas sobre Zidane. Perdemos e ganhamos juntos. É fácil dizer que há duvidas quando as coisas não estão boas, mas o resultado do clássico demonstrou que não é assim”.

Enquanto isso, o ex-time de Kroos, o Bayern de Munique, segue goleando seus adversários depois de uma temporada em que conquistou a Tríplice Coroa, e o meia alemão acredita que o Real Madrid tem material humano para jogar tão bem quanto os bávaros.

“Sim, temos time para jogar assim. Nos últimos meses, foram a melhor equipe do mundo e temos que aceitar. Mas nós fomos assim a partir de 2016 (ano do primeiro dos três títulos consecutivos da Champions League), fomos os melhores. Há muitos times bons, mas isso muda muito rápido. Trabalhamos para isso, para termos bons resultados. Temos qualidade para melhorar”, disse.

De volta à Alemanha nesta terça-feira para enfrentar o Monchengladbach, Kroos afirmou que pensa em encerrar a carreira no Real Madrid. “Sempre gosto de voltar à Alemanha porque é meu país e meu idioma, mas gosto muito da vida em Madri e de jogar pelo Real Madrid. Tive propostas, mas nunca falei com outros clubes porque minha ideia é terminar a carreira no Real Madrid”, encerrou.

.