O Mundial de Clubes é o único título que o Liverpool ainda não conquistou, e, mesmo assim, o ideal é esperar a bola rolar para ver na prática o nível de interesse que o representante europeu terá na competição, já que varia muito de caso a caso. Em entrevista ao site da Fifa sobre o torneio, o treinador Jürgen Klopp, não pareceu super-empolgado, mas expressou respeito e comparou a ocasião com a Supercopa da Europa, que o seu time não sabia exatamente como seria, mas curtiu bastante conquistá-la.

“Até agora eu não sinto pressão. Eu vejo como uma absoluta oportunidade porque não é sempre que você tem a chance de disputá-lo. Precisa vencer a Champions League, e isso já o torna especial. Sabíamos que nos sentiríamos muito bem quando ganhássemos a Champion League, mas não tínhamos ideia de como seria a Supercopa da Europa. Então, jogamos e adoramos e foi muito grande. Quando formos lá (ao Mundial), vamos preparados e ansiosos. Os rapazes querem jogar, então será muito interessante e será grande para nós, 100%”, disse.

Klopp disse que não se importa em ser o primeiro a conquistar o Mundial pelo Liverpool e que a parte “difícil e interessante” será enfrentar equipes de outros continentes. “O que não acontece sempre. Talvez um time mexicano, talvez um time brasileiro, e será difícil, com certeza. Vamos nos preparar como sempre fazemos e vamos ver se dará certo ou errado contra um time de outro continente. Não temos muita informação ainda, mas até lá teremos, com certeza”, prometeu.

“Eu não consigo ver muito futebol brasileiro, argentino, mexicano ou árabe, por exemplo. Eu não tenho oportunidade em casa, então não sei muito sobre eles. Eu conheço muitos jogadores que vêm de lá, então é claro que é da mais alta qualidade. Será realmente intenso, tenho certeza. Temos que assegurar que encontremos a mentalidade certa, e sei que meus jogadores a encontrarão, mas, por enquanto, ainda não a temos porque precisamos nos concentrar em coisas diferentes. Mas não estamos aqui para perder tempo e tentaremos de tudo para sermos o mais bem sucedido possível”, completou.

Os clubes europeus são naturalmente os favoritos para este torneio, tendo ganhado 11 das últimas 12 edições, mas a derrota do Liverpool para o São Paulo, em 2005, serve como lembrete. “Não precisávamos do que aconteceu 14 anos atrás. O Real Madrid jogou três ou quatro vezes nos últimos anos, e que time eles têm, e venceram. Mas não somos o Real Madrid, nós viemos de uma situação diferente. Não vamos tomar nada como certo, mas queremos vencer. A única razão para ir até lá é a oportunidade de vencer, e é isso que tentaremos fazer”, disse.

O entrevistador afirmou que o Mundial de Clubes reúne o que há de melhor ao redor do planeta e questionou: o que Klopp considera que o Liverpool fazer melhor do que ninguém? “As noites de futebol europeu em Anfield. Elas são provavelmente as melhores do mundo. Quando o time está embalado, temos uma atmosfera que é difícil (aos adversários). Trabalhei no Dortmund e era maravilhoso, incrível, mas um ou dois jogos no Liverpool juntaram toda a comunidade e foi realmente especial. Provavelmente, nisso somos melhores que o resto do mundo”, encerrou.