A série de protestos que se espalharam pela rodada passada da Bundesliga por causa da morte de George Floyd, homem negro, por parte da polícia de Minneapolis, nos Estados Unidos, foi algo bom, mas é só o começo, e jogadores brancos deveriam se juntar no posicionamento. Esta é a opinião de Joshua Kimmich, do Bayern de Munique.

Em declarações publicadas pelo jornal inglês Guardian, Kimmich sugeriu que um próximo passo possa ser que toda uma equipe se posicione, com os jogadores brancos também fazendo sua parte.

“É bom que não seja apenas um jogador (a protestar). Talvez também seja uma opção todo um time dizer algo. (…) Somos um só mundo, um clube, uma equipe. Não importa se você é negro ou branco”, defendeu.

O alemão ressaltou que, como jogadores profissionais de futebol, os atletas da elite têm uma plataforma que lhes permite ser ouvidos pelo público, e essa é uma oportunidade para defender posicionamentos por um mundo mais igual.

“Nós, jogadores, como o Sancho, temos muito poder para alcançar outras pessoas, para sermos exemplos e dizer algo. As pessoas de fora nos escutam, então isso nos dá uma grande chance de fazer uma declaração.”

Kimmich revelou que os jogadores do Bayern de Munique têm mantido contato sobre o assunto para, como equipe, se posicionar contra o racismo sistêmico que fez mais uma vítima fatal: “Talvez tenhamos que fazer algo, porque não podemos dar espaço a esse tipo de coisa”.

Na quarta-feira (3), a Federação Alemã (DFB) afirmou que não iria punir os jogadores que se expressaram em relação ao caso de George Floyd na rodada passada da Bundesliga – ou outros atletas que façam o mesmo nas próximas semanas. Segundo a DFB, eles estavam “comprometidos com os mesmos valores que a DFB também representa e sempre representou”.

Weston McKennie, meia norte-americano do Schalke 04, abriu o caminho para as homenagens e protestos ao vestir uma braçadeira com a mensagem: “Justiça para George”. Mais tarde, comemorando seus gols nas vitórias de Borussia Mönchengladbach e Borussia Dortmund, respectivamente, Marcus Thuram se ajoelhou em alusão a Colin Kaepernick, jogador de futebol americano e ativista antirracismo, e a dupla Achraf Hakimi e Jadon Sancho, cada um após seu gol, exibiu mensagem parecida à de McKennie.