O Kashima Antlers conquistou um resultado excelente neste sábado, em busca do título da Liga dos Campeões da Ásia. Diante de sua torcida, os japoneses enfrentaram o Persepolis, no jogo de ida da decisão continental. E construíram uma vantagem bastante sólida, batendo os visitantes por 2 a 0. Os brasileiros foram preponderantes ao triunfo do Kashima, aliás. Léo Silva abriu o placar no segundo tempo, ao tabelar com um companheiro e bater no canto do goleiro Alireza Beiranvand. Logo depois, caberia a Serginho ampliar, saindo de frente para o gol e tirando do alcance do arqueiro. Nos acréscimos, os persas ainda ficaram com um a menos, depois que Siamak Nemati recebeu o secundo amarelo. O jogo de volta acontece em 10 de novembro, no Estádio Azadi, em Teerã.

O título representaria um feito inédito ao Kashima Antlers. Apesar de sua tradição no futebol japonês, esta é apenas a primeira vez que o clube disputa a final continental. Pode garantir o sétimo título aos representantes da J-League, além de se tornar o sexto participante diferente da liga a triunfar na Champions Asiática – o Urawa Red Diamonds, campeão em 2017, é o único a ter duas taças em sua estante.

Aproveitando o gancho, vale falar um pouco também sobre a história da Liga dos Campeões da Ásia, um torneio que une dois universos bastante distintos. A competição de logística delicada começou a ser disputada em 1967, mas foi descontinuada quatro anos depois, realizada ininterruptamente apenas a partir de 1985. Por causa de tantos obstáculos e distâncias, ela se divide em duas disputas distintas, das fases preliminares até as semifinais, entre os clubes do Oriente Médio e do Extremo Oriente. E o choque cultural fica guardado apenas para a final, na decisão para ver quem é o melhor clube do continente.

Ao longo de sua história, a taça da Champions da Ásia se concentrou entre os dois polos. Os times mais orientais ficaram com 23 taças, enquanto os do Oriente Médio e região levaram 13. Hegemonia do leste que se dá muito por conta da Coreia do Sul, maior campeã da competição, com 11 conquistas e se amplia nos últimos anos. Além disso, a lista de campeões se divide entre dez países – incluindo Israel, antes que os problemas geopolíticos fizessem a federação migrar para a Uefa. Já entre os vices, são mais quatro nações, algumas delas sem tanta expressividade entre as seleções, como Omã e Malásia.

Abaixo, o mapa com todos os finalistas da Liga dos Campeões da Ásia, publicado originalmente em 2015 e devidamente atualizado. Alguns escudos estão sobrepostos. Portanto, aproxime para visualizar melhor os estádios: