Dois grandes centroavantes foram contratados nesta janela de transferências na Premier League. Romelu Lukaku, que brigou pela artilharia até a última rodada, deixou o Everton para ir para o Manchester United. Alvaro Morata chegou do Real Madrid para o Chelsea. Os dois tentarão tirar o posto de artilheiro da Premier League de Harry Kane, do Tottenham.

LEIA TAMBÉM: Com muitos reservas em PSG x Tottenham, o destaque foi o golaço de Eriksen

O atacante, de 23 anos, já foi especulado em muitos clubes, dentro e fora da Inglaterra. Kane, porém, não tem planos de deixar o clube onde se formou. Ele foi emprestado várias vezes até se firmar, passando por Leyton Orient, Millwall, Norwich City e Leicester. Nos empréstimos, não conseguiu o brilho que passaria a ter pelo Tottenham, especialmente a partir da temporada 2014/15. Na última temporada, foram 29 gols só na Premier League, com 35 gols no total. E as especulações sobre interesse de outros clubes surgiu, mas ele nem se importa.

“Futebol não é apenas sobre dinheiro. Eu estou no Tottenham porque eu amo este clube e eu o vejo indo na direção certa”, afirmou Kane em entrevista ao jornal The Sun. “Eu sinto que somos um dos melhores times da Inglaterra e Europa, então eu estou empolgado pelo futuro à nossa frente”, declarou o jogador.

“Todo mundo sabe que eu sou torcedor do Tottenham e é onde eu quero estar no futuro próximo. Eu tenho um ótimo relacionamento com o técnico e os torcedores. Ao final da temporada, nós esperamos estar lá em cima, brigando pelo título de novo e espero que possamos converter nossa ambição em vitórias”, disse o camisa 10 dos Spurs.

A camisa 10, aliás, ele passou a usar na temporada 2015/16, depois da saída de Emmanuel Adebayeor, último jogador a vesti-la. Em entrevista ao jornal Daily Telegraph, na época, ele justificou a mudança do número 18 para o 10: “Eu quero me tornar uma lenda do clube”. Até aqui, ele vai muito bem, mostrando que tem talento e comprometimento com o clube para fazer o time do técnico Mauricio Pochettino continuar sendo muito competitivo, em uma Premier League que parece ficar cada vez mais difícil.