A torcida do Borussia Dortmund certamente estava ansiosa para o jogo deste sábado. Afinal, é assim que se fica quando há o reencontro com uma velha paixão. E a troca de olhares seria justamente no Signal Iduna Park, onde foram vividos os melhores momentos da relação. Shinji Kagawa voltou a fazer os olhos dos aurinegros brilharem, em sua reestreia pelo clube onde ganhou notoriedade. Para compensar o carinho logo de imediato, marcando um dos gols na vitória por 3 a 1 sobre o Freiburg.

LEIA MAIS: Por uma pechincha, Kagawa volta a escrever sua história no Dortmund

Pensando na dura estreia na Liga dos Campeões, contra o Arsenal na próxima terça, Jürgen Klopp preferiu dosar sua força no encontro deste sábado. E o time com algumas alterações foi ótima oportunidade para que Kagawa voltasse logo como titular. Assim como o treinador havia afirmado ao comentar suas atuações pelo Manchester United, que achava um desperdício escalá-lo pelos lados do campo, o camisa 7 foi o meia central no 4-2-3-1 do Dortmund. Quem acabou deslocado um pouco mais para a direita foi Henrikh Mkhitaryan, um dos melhores neste início de temporada da equipe.

Kagawa ao menos correspondeu à confiança de Klopp. O japonês teve participação ativa na distribuição de jogo, mesmo em readaptação à equipe. Além disso, o meia também apareceu bem para ajudar o ataque, arrematando a gol duas vezes. Mais importante, contudo, foi a forma como ele contribuiu para o resultado positivo.

Os dois primeiros gols do Dortmund contaram com participação de Kagawa. No primeiro, ele enfiou a bola para Kevin Grosskreutz na ponta esquerda e o alemão cruzou para Adrián Ramos estufar as redes. Já no segundo, o colombiano foi quem deu o passe para o japonês finalizar no canto, sem nem tempo de reação para o goleiro Roman Bürki. O suficiente para que fosse substituído aos 14 minutos do segundo tempo, antes que Pierre-Emerick Aubameyang anotasse o terceiro dos aurinegros.

Obviamente, Kagawa ainda tem muito a evoluir neste reinício no Dortmund. Como principal armador, o camisa 7 não criou tantas oportunidades de gol, assim como poderia ajudar um pouco mais o trabalho dos volantes. De qualquer forma, o papel decisivo que desempenhou já neste primeiro jogo dá esperanças à torcida aurinegra. A festa que prepararam no Signal Iduna Park para a recepção do antigo ídolo não foi à toa.