Era apenas questão de tempo que o Bayern de Munique anunciasse a renovação de Hansi Flick como treinador permanente do clube. O antigo interino melhorou visivelmente o rendimento dos bávaros em campo, mantém uma ótima relação com os jogadores e costuma ser elogiado publicamente pelos dirigentes. Sua efetivação era dada como certa por diferentes veículos de imprensa na Alemanha e também indicada pelas falas de seus chefes. Já nesta sexta-feira, o Bayern confirmou a continuidade do trabalho. Flick estendeu seu vínculo até 2023.

“Estou ansioso para encarar os próximos objetivos junto com a comissão técnica e com a equipe. As conversas com Rummenigge, Kahn e Salihamidzic foram muito boas e caracterizadas por uma confiança mútua. Juntos nós definimos a direção aos próximos anos. Estou certo de que poderemos conquistar muito juntos”, pontuou Flick, nesta sexta. Seu contrato como assistente permanecia em vigor até 2021.

O Bayern representa o primeiro trabalho de Flick em alto nível como treinador principal. Antes disso, havia comandado apenas times que militavam nas divisões regionais, incluindo o Hoffenheim. No entanto, nem de longe ele caiu de paraquedas no posto. Como jogador, Flick atuou de 1985 a 1990 no próprio Bayern, sob as ordens de Udo Lattek e Jupp Heynckes. Depois de realizar sua formação como treinador e de assumir clubes menores, ele foi assistente de Giovanni Trapattoni, antes de chegar à seleção em setembro de 2006. Foram oito anos como assistente de Joachim Löw, até se tornar diretor esportivo da DFB após a conquista da Copa de 2014. Já em 2017, o alemão ainda teve uma rápida passagem como executivo do Hoffenheim.

O convite para se tornar assistente de Niko Kovac no Bayern a partir de julho de 2019 poderia sugerir um retrocesso na carreira de Flick. Na verdade, representaria o reconhecimento público ao alemão de 55 anos. Ele veio para melhorar uma relação interna desgastada, que culminou na demissão do croata em novembro. Então, Flick tomou as rédeas do que já vinha fazendo de positivo nos bastidores. Na seleção, sempre foi considerado um dos principais responsáveis por elaborar os planos táticos a Löw, o que se tornou mais perceptível na Baviera. Além disso, mantinha uma proximidade natural com vários veteranos do Bayern, a quem aprimorou na Mannschaft. O resultado disso se nota em campo.

Até a pausa dos campeonatos, não seria exagero colocar o Bayern como melhor equipe em atividade na Europa. O clube conseguiu abrir certa folga na liderança da acirrada Bundesliga e vinha atuando com autoridade, inclusive na Champions. Sob as ordens de Flick, os bávaros conquistaram 18 vitórias em 21 partidas, com apenas duas derrotas. Não à toa, em fevereiro, Karl-Heinz Rummenigge havia declarado que a permanência do treinador estava encaminhada. Durante o aniversário de Flick, o chefe-executivo do clube declarou que seu presente seria uma “caneta, com a qual poderia assinar papéis”.

O apoio dos jogadores, praticamente inexistente com Kovac, é algo fundamental a Flick. Isso se nota no próprio jogo, mais agressivo e ofensivo, como se espera na Baviera. Mas também pesa a maneira como a direção analisa o atual técnico, com ótimo trânsito interno. Em um mercado sem opções tão vastas, o alemão se mostrou digno da aposta, mesmo chegando agora à linha de frente em um grande clube. Além do mais, fica claro como o saldo final de títulos não seria tão preponderante assim para determinar sua continuidade na Allianz Arena.

“O Bayern está muito contente com o trabalho de Hansi Flick. O time se desenvolveu muito bem sob o seu comando e joga um futebol atrativo, que também reflete nos resultados. Nós somos o único time alemão que segue em busca da tríplice coroa na temporada. Também gosto da maneira como ele lidera a equipe, suas qualidades humanas são convincentes, sua empatia fala por si. O Bayern confia em Hansi e estamos seguros que ele continuará a alcançar nossos objetivos no futuro”, declarou Rummenigge, nesta sexta. Fica a espera à continuidade do trabalho, ante os novos desafios que o futebol (e o mundo) encararão nos próximos meses.