O mando do jogo era do América Mineiro, mas todos esperavam uma tarde de festa ao Palmeiras. Para faturar mais, o Coelho realizou a partida no Estádio de Café, em Londrina, onde os clubes paulistas possuem grande influência. Mais de 27 mil alviverdes encheram as arquibancadas, para assistir à vitória do líder do Campeonato Brasileiro por 2 a 0. O time de Cuca não goleou, como muitos almejavam, embora tenha conquistado o resultado sem muita dificuldade. Tchê Tchê abriu o placar logo aos dois minutos, enquanto Alecsandro fechou a conta aos 42. Personagem e tanto, diante de todas as dificuldades que o centroavante enfrentou nos últimos meses.

Os problemas de Alecsandro começaram em junho, quando foi confirmado o flagra no exame antidoping. Ele havia sido pego pelo uso de uma substância anabolizante durante o dérbi contra o Corinthians no Paulistão, dois meses antes. Desde então, o atacante batalhou para provar sua inocência. Acabou condenado pelo Tribunal de Justiça Desportiva de São Paulo no início de agosto, pegando dois anos de gancho, período que praticamente encerraria a sua carreira. Mas, em setembro, deu a volta por cima. A Agência Mundial Antidoping aceitou o seu recurso, apontando que os radicais apareceram em seu exame por causa de um tratamento capilar, e anulou a punição. Afastado do time e sem sequer treinar no Palmeiras, o veterano foi reintegrado.

“Quando o atleta é pego no exame antidoping, o clube automaticamente pode rescindir o contrato. Em nenhum momento o Palmeiras sinalizou isso. Recebi, nesses três meses, algumas ligações do Paulo Nobre. Falava diariamente com o Cícero (gerente) e ele sempre acreditou na minha palavra. Estou tentando recuperar o tempo que perdi, reconquistar meu espaço no grupo, quero jogar, quero ser útil até o fim do ano”, declarou, em coletiva nesta semana. “Quando saí do CT no dia em que o exame deu positivo, fui pensando no que falaria para o meu filho de 11 anos. Eu prometi para ele que não só seria absolvido como mostraria a verdade. Não tem como não se emocionar”.

O retorno de Alecsandro aos gramados aconteceu há duas semanas, durante o embate com o Botafogo da Paraíba pela Copa do Brasil. Porém, o centroavante não causou o impacto que teve neste domingo. Substituiu Erik no início do segundo tempo. E, pouco antes do apito final, reencontrou o caminho das redes em um chute prensado, após quatro meses e meio sem marcar. Gol feio, que culminou em uma belíssima comemoração: enquanto o camisa 29 se ajoelhou agradecendo aos céus, todos os seus companheiros, incluindo os reservas, foram abraçá-lo. Já na saída de campo, a torcida em Londrina fez a homenagem, gritando o apelido de ‘Alecgol’.

O respeito a Alecsandro é merecido. O atacante não abandonou seu profissionalismo diante do episódio e conseguiu fazer a justiça prevalecer, por mais que o erro do TJD quase tenha prejudicado sua carreira definitivamente. Agora, o veterano pode deixar as preocupações para trás e focar no futebol. Voltou a tempo de ainda ajudar o Palmeiras a buscar o título brasileiro.