Ao longo dos últimos meses, as autoridades espanholas conduziram uma investigação sobre manipulação de resultados nas principais divisões do país. Em maio de 2019, 11 pessoas foram presas, acusadas de formarem uma quadrilha para se beneficiar dos placares através de apostas esportivas. Entre os jogos na mira da investigação, estava o compromisso entre Valladolid e Valencia pela última rodada de La Liga 2018/19. Embora a vitória por 2 a 0 tenha colocado os valencianos na Champions League, eles não sabiam nada sobre a fraude, realizada pelos jogadores adversários. Já nesta semana, conforme o jornal El País, a justiça botou sob suspeitas o Getafe 2×2 Villarreal na mesma rodada, que poderia garantir os Azulones na Champions.

As informações suspeitas foram descobertas a partir de conversas do ex-jogador Carlos Aranda, envolvido com o caso de manipulação de resultados e também com tráfico de drogas. O juiz Ángel de Pedro avaliou que o material era suficiente para abrir uma nova investigação, sobre o Getafe x Villarreal. Entre os supostos envolvidos está Jorge Molina, capitão dos Azulones. A equipe da capital é suspeita de pagar uma “mala preta” ao Submarino Amarelo, para que facilitassem o resultado e permitissem a classificação à Champions.

Aranda entrou em contato com Paco Esteban, outro ex-jogador, e ofereceu €10 mil para que ele conversasse com Molina. Seu interesse era saber se o resultado estava mesmo combinado e se ele podia apostar sem preocupações. Esteban havia sido companheiro de Molina no Elche. Segundo Esteban, o capitão do Getafe havia confirmado que €2 milhões tinham sido distribuídos a sete jogadores do Villarreal, para que entregassem o resultado. No dia seguinte, Aranda apostou milhares de euros na vitória do Valencia e também na vitória do Getafe.

Os placares, porém, não atenderam aos interesses. O Valencia derrotou o Valladolid por 2 a 0, resultado suficiente para as pretensões da equipe. Como tinham vantagem no confronto direto, os valencianos se confirmaram na Champions independentemente do que o Getafe fizesse. Já no Coliseum Alfonso Pérez, os Azulones empataram com o Villarreal por 2 a 2. A equipe da casa esteve em vantagem duas vezes no placar, mas Gerard Moreno buscou a igualdade aos 42 do segundo tempo. O Submarino Amarelo não tinha qualquer interesse na competição, após ter assegurado sua permanência na elite durante as rodadas anteriores.

Getafe e Villarreal negaram qualquer envolvimento com a fraude, enquanto La Liga confirmou que há um dossiê confidencial aberto, mas não pôde dar informações. Presidente dos Azulones, Ángel Torres afirmou ao jornal El País: “O quarto lugar estava impossível, não podíamos chegar. Se alguém fez algo, que a justiça aja. Mas a mim não vão pegar, porque não fiz nada”. Já o capitão Jorge Molina refutou sua participação na manipulação, declarando que seus advogados estão trabalhando sobre o caso. A justiça solicitou os registros das conversas de Molina com Paco Esteban, para confirmar o que foi repassado a Carlos Aranda.