Antonio Conte tem conseguido chamar a atenção no seu início de caminhada pela Internazionale. São quatro vitórias em quatro jogos na Serie A, mas na Champions League o time estreou empatando em casa com o Slavia Praga. O ex-goleiro Júlio César, campeão da tríplice coroa pela Internazionale em 2009/10, elogiou o novo técnico, mas disse que ainda não há comparação com José Mourinho, um ídolo histórico.

“Eu vi um time bonito, duro e organizado”, afirmou o ex-goleiro à Gazzetta dello Sport. “O trabalho de Conte está indo bem. Ele é um técnico que cobra perfeição e os jogadores parecem ter entendido isso. Isso é graças a ele”, elogiou o brasileiro.

“A Inter continuará na briga pelo título com Conte até o fim da temporada. Eu entendi isso durante o verão [europeu], quando eu encontrei com ele durante o tour na Ásia, e os primeiros jogos confirmaram minha impressão”, disse Júlio César. “Ele é um vencedor, mas não há comparação com Mourinho. São dois grandes técnicos e profissionais. Os torcedores amam Mourinho porque ele fez coisas incríveis, eu espero que Conte possa seguir seus passos”.

“Depois de nove anos sem Scudetto, já está na hora de ganharem de novo. Muitos tinham dúvidas sobre Conte, talvez por causa do seu passado na Juventus. É bobagem: ele é um grande profissional e a camisa não entra na equação. Ele é um técnico de primeira”, afirmou Júlio César.

“Handanovic, Godín, De Vrij e Skriniar são individualmente muito fortes. Se, como eu acredito, eles tiverem sucesso como unidade, eles irão formar um bloco. Nós trabalhamos muito defesa na Itália. Antes de dizer que eles são os melhores, eles precisam vencer: eles precisam de resultados, o futebol é assim”, afirmou o brasileiro.

“Handanovic é um dos três melhores goleiros do mundo, junto com meus compatriotas Alisson e Ederson. Ele recebe menos atenção da mídia porque não foi longe na Champions League. Ele não teve oportunidades como os outros. Mas aqueles que o conhecem não têm dúvidas a respeito dele”, avaliou.

“Lukaku tem um físico animal e o instinto de um atacante de verdade. Não é fácil mudar de idioma, país e futebol e se adaptar rapidamente”, continuou Júlio César. “Me parece que ele está tendo sucesso. Ele é uma pessoa positiva: com suas palavras, ele também deixou uma marca ao educar os racistas que vão aos jogos. É um desafio que o futebol tem lutado por 20 anos e deve ser vencido”, opinou ainda Júlio César.

Aos 40 anos, Júlio César, que esteve em três Copas do Mundo – 2006, 2010 e 2014 – se aposentou em 2018 e se prepara para uma nova profissão. “Eu estou treinando para me tornar agente. Eu estou fazendo cursos, estudando e me preparando em uma escola de negócios em Lisboa, onde eu vivo”, contou o ex-goleiro do Flamengo e seleção brasileira.