Juan Mata é um certo mistério. Não é particularmente forte, nem particularmente rápido, mas tem uma carreira invejável, há mais de dez anos defendendo clubes como Valencia, Chelsea e Manchester United. O segredo é sua técnica muito apurada, como ficou comprovado mais uma vez, nesta quarta-feira, quando o meia espanhol anotou um bonito gol na vitória por 1 a 0 do Manchester United sobre o Wolverhampton, pelo replay da terceira rodada da Copa da Inglaterra.

Mata, 31 anos, não tem atuado muito. Titular na Liga Europa, tem apenas 13 participações em 22 rodadas da Premier League, seis desde o início. Mas pode ser útil em um Manchester United que aposta na juventude, e realmente o foi para desempatar o confronto contra o Wolverhampton, que havia terminado sem gols no jogo de ida no Molineux.

As primeiras boas ações ofensivas do jogo foram do Wolverhampton, especialmente o lindo drible que Raúl Jiménez deu em três jogadores do United para ficar cara a cara com Sergio Romero. Mas acabou finalizando muito fraco. Antes dos dez minutos, Pedro Neto chegou a colocar a bola nas redes, depois de Fred inexplicavelmente carimbar Matic e Jiménez bater a carteira de Maguire. No entanto, a bola tocou no braço do atacante mexicano e, segundo a nova orientação, isso anula imediatamente qualquer gol.

O Manchester United respondeu com dois chutes de fora da área, sem grande perigo, mas Juan Mata, à média distância, exigiu boa defesa de John Ruddy. A grande chance dos donos da casa saiu com Daniel James, que amaciou um lançamento e ficou cara a cara com o goleiro, que conseguiu outra grande intervenção.

Mata testou Ruddy novamente, e Daniel James descolou um chute rasteiro que passou muito próximo. E aos 22 minutos do segundo tempo, Maguire lançou da defesa, e o quique da bola enganou Conor Coady. Martial dominou, tirou Romain Saïss com um drible e lançou para Mata. O espanhol avançou e, cara a cara com Ruddy, mostrou toda a sua categoria com um toque por cobertura para fazer o único gol do jogo.

Em uma temporada de altos e baixos, especialmente em termos de desempenho, o Manchester United se mantém na Copa da Inglaterra, uma chance real de título, e a vitória sobre os Wolves tem um gostinho especial porque, na temporada passada, foi justamente contra os homens de Nuno Espírito Santo que o United foi derrotado.

.

.