A morte de Gary Speed, confirmada na manhã deste domingo, deixou em luto todo o futebol britânico e europeu em geral. Vários jogadores e ex-companheiros manifestaram pesar.

“Às vezes pensamos que o futebol é importante, mas não é. Meus pensamentos estão com a família dele”, disse Ryan Giggs, companheiro de seleção de Speed por mais de dez anos e amigo pessoal do treinador galês.

Outro que se manifestou foi John Hartson, ex-companheiro de Speed na seleção galesa, que comentou a partida entre Swansea e Aston Villa pela emissora britânica BBC.

“Estou completamente devastado. Meus pensamentos estão com Roger, pai de Gary, a quem conheço muito bem. O filho dele foi um irmão e um capitão para mim durante dez anos, e nos ajudou muito”, declarou Hartson.

“É difícil falar de Gary como jogador antes de falar dele como homem. Quando tive câncer, em 2009, ele ligava frequentemente para o meu pai para saber como eu estava”, completou Hartson, que venceu um câncer no testículo antes de se tornar comentarista televisivo.

Na partida, que para muitos deveria ter sido adiada, foi feito um minuto de silêncio pela morte de Speed. Um dos mais abalados em campo era Shay Given, goleiro irlandês do Aston Villa, que chorava bastante antes do início do jogo.

Quem também declarou pesar via Twitter foi o atacante Michael Owen, do Manchester United. “Não consigo acreditar. Há poucos dias nos encontramos deixando nossos filhos na escola”, disse.

O espanhol Xabi Alonso, ex-Liverpool e hoje no Real Madrid, também se pronunciou. “Meu primeiro jogo na Premier League foi contra ele, que me mostrou naquele dia o que era o futebol britânico. Descanse em paz”, disse Alonso, que atuu nos Reds entre 2004 e 2009.