A expansão da Copa Africana de Nações, de 16 para 24 seleções, abriu espaço para algumas novidades. A próxima edição, disputada entre junho e julho no Egito, terá três estreantes: Madagascar, Mauritânia e Burundi. A Tanzânia quase pode ser considerada uma debutante também. Sua única participação anterior havia sido em 1980.

LEIA MAIS: Faltando seis meses para o torneio, o Egito é apontado como nova sede da Copa Africana de 2019

Segundo o Le Monde, o ineditismo do feito alcançado pelos jogadores valeu um prêmio especial. O presidente do país, John Mugufuli, concedeu a cada um lote de terra na capital Dodoma. “Um jeito de reconhecer o bom trabalho que foi feito e pela grande honra que trouxeram ao nosso país”, afirmou.

Na participação de 1980, na Nigéria, a Tanzânia foi lanterna do seu grupo, com derrotas para a dona da casa e o Egito e um empate com a Costa do Marfim. Desta vez, o presidente acredita que o time pode ir até o fim. “Nossos jogadores podem fazer ainda melhor no Cairo e conquistar o título”, desejou.

Na última rodada do grupo classificatório, a Tanzânia enfrentou Uganda, líder com vaga garantida, e venceu por 3 a 0. Ainda assim, teve que aguardar o fim do outro jogo entre Cabo Verde e Lesoto, que poderia igualar os pontos da Tanzânia, levando vantagem no confronto direto. Mas a partida terminou 0 a 0.