Canadá e Estados Unidos protagonizaram uma partida memorável em Old Trafford, pelas semifinais no torneio feminino de futebol dos Jogos Olímpicos de 2012. Em confronto de sete gols, as canadenses tiveram três vezes em vantagem no placar. Entretanto, Alex Morgan marcou nos acréscimos finais do segundo tempo da prorrogação e garantiu a vitória por 4 a 3 para o US Team, que vai em busca de seu quarto ouro na modalidade.

O gol parecia questão de tempo à seleção americana durante o primeiro tempo. Dominando as ações ofensivas, a equipe se aproximava da meta adversária, embora falhasse demais na pontaria. No entanto, quem abriu o marcador foi o Canadá, após boa jogada de Christine Sinclair, aos 21 minutos.

Apesar do tento, os EUA continuaram melhores em campo, apostando principalmente nas combinações entre Abby Wambach e Alex Morgan. E o empate acabou saindo logo no começo do segundo tempo, em gol – de fato – olímpico marcado pela meio-campista Megan Rapinoe.

A partir dos 22 minutos, a partida começou a pegar fogo. Christine Sinclair provou mais uma vez sua eficiência no ataque ao marcar o segundo gol do Canadá. Logo em seguida, Rapinoe igualou, enquanto Sinclair faria o terceiro. Já aos 34, em pênalti discutível, o US Team sacramentou o placar em 3 a 3. As duas equipes ainda teriam boas chances até o fim do tempo regulamentar, mas não aproveitaram.

Durante a prorrogação, as duas equipes não diminuíram o ritmo, com chances aparecendo para os dois lados. Nos minutos finais, as americanas pressionaram mais e Wambach chegou a acertar o travessão. Enfim, o sofrimento acabou somente nos acréscimos, com um gol de Alex Morgan, que garantiu os Estados Unidos pela quinta vez na final olímpica em cinco edições do torneio.

O próximo desafio das americanas acontece na próxima quinta-feira, reeditando na final olímpica a decisão da Copa do Mundo de 2011, contra o Japão. O Canadá, por sua vez, enfrenta a França no mesmo dia, brigando pelo bronze.

Destaque do jogo

Christine Sinclair. Apesar da derrota, a canadense anotou um hat-trick e se tornou artilheira isolada do torneio olímpico, com seis gols. A camisa 12 demonstrou um ótimo senso de posicionamento dentro da área, além de talento no jogo aéreo.

Momento chave

A marcação do pênalti que originou o terceiro gol dos Estados Unidos. Em falta cobrada em dois lances dentro da área do Canadá, Marie-Eve Nault não olhava para a jogada quando a bola bateu em seu braço. Ainda assim, a árbitra Christiana Pedersen anotou a falta, em decisão bastante questionável.

Os gols

21’/1T – Melissa Tancredi recebe na entrada da área e serve Christine Sinclair. A capitã corta a marcação e, de frente para o gol, finaliza rasteiro.

8’/2T – Megan Rapinoe cobra escanteio em direção à primeira trave e nenhuma canadense consegue afastar a bola. Gol olímpico da seleção americana.

22’/2T – Excelente jogada de Tancredi pelo lado esquerdo, fintando a marcadora e cruzando para Sinclair. A artilheira subiu sozinha e cabeceou no canto, longe do alcance de Hope Solo.

25’/2T – Bela inversão de Kelley O’Hara para Megan Rapinoe, na entrada da área. A camisa 15 ajeitou e soltou a bomba. A bola ainda desviou em uma defensora, antes de morrer dentro do gol.

27’/2T – Em cobrança de escanteio de Kaylyn Kyke, Christine Sinclair mais uma vez ganhou das americanas pelo alto e testou firme, no ângulo direito de Hope Solo.

34’/2T – A bola bate no braço de Marie-Eve Nault e a árbitra marca pênalti. Na cobrança, Abby Wambach arremata rasteiro e a bola bate no pé da trave antes de entrar.

17’/2T da prorrogação – Após cruzamento da direita, Alex Morgan saltou mais que a marcadora e cabeceou no alto. A bola passou por cima da goleira Karina LeBlanc.