João Félix foi a contratação mais cara do mercado de verão do futebol europeu, reposição à saída de Antoine Griezmann para o Barcelona, e ainda não explodiu no Atlético de Madrid, embora tenha tido alguns bons momentos. Às vezes, o jovem de 20 anos deita na cama e se lembra do quanto era feliz no Benfica, para o qual gostaria de retornar no futuro para marcar seu nome na história do clube português, que conduziu a entrevista com o meia-atacante.

Félix conversou com o Benfica Play, nova plataforma online dos Encarnados que oferece entrevistas e reportagens exclusivas para os seu assinantes, e mencionou que antes de chegar à Luz havia começado carreira na base do Porto. “Dizem que é impossível trocar de clube, mas digo que troquei. Sempre me trataram bem, ganharam mais um torcedor para sempre, por tudo o que fizeram por mim. Gosto mesmo do clube e da mística. Fizeram-me muito feliz. Vou estar sempre grato por tudo. Todas estas conquistas têm uma parte deles”, disse.

“Agora que estou aqui (no Atlético de Madrid), às vezes eu me deito e penso: porra, estava tão bem ali. Estava em casa, tinha uma vida excelente, os meus amigos, era mesmo perfeito. E quero voltar a deixar o meu nome marcado no Benfica”, completou.

Ainda citando seu passado com o Porto, Félix lembrou quando marcou o gol de empate da vitória do Benfica por 2 a 1, em março do ano passado, e comemorou dando uma provocadinha na torcida adversária. “Falaram muito nas redes sociais sobre o fato de que eu havia deixado o Porto para ir ao Benfica. Sei que os jogadores não gostaram. Estávamos perdendo por 1 a 0, era uma partida importante, se ganhássemos seríamos primeiros. Consegui o empate, foi um grande gol. Comecei a comemorar com arrogância, encarando-os. Foi meu momento. Um grande momento. Para ser sincero, foi uma pena que não durou mais porque Rafa (então companheiro de time) não me deixou”, disse.

Félix também se lembrou de outro grande momento pelo Benfica, quando marcou três vezes contra o Eintracht Frankfurt, pelas quartas de final da Liga Europa. “No terceiro gol, chorei. Tirei um peso de cima de mim. Dois dias antes, no vestiário, escutei comentários que não me fizeram bem. Fui ao banheiro chorar. ninguém sabia, mas, assim que consegui o hat-trick, eu me libertei”, completou.

Félix tem quatro gols e uma assistência em 19 partidas pelo Atlético de Madrid. Sofreu uma lesão no tornozelo que o deixou afastado por cerca de 15 dias, entre outubro e novembro.