O futebol inglês viu uma estrela ascender à seleção principal sem ter brilhado na Inglaterra. Jadon Sancho, aos 17 anos, deixou a badalada categoria de base do Manchester City rumo à Alemanha para defender o Borussia Dortmund em agosto de 2017. Um movimento arriscado, mas o garoto conseguiu o que queria: minutos em campo. Algo que ele não via acontecer na Inglaterra. Atualmente com 18 anos, o ponta inglês se tornou um dos grandes destaques do time que é líder do Bundesliga.

LEIA TAMBÉM: Kagawa precisou de meros segundos em campo para fazer seu primeiro gol pelo Besiktas

Aos 17 anos, Sancho era visto como um dos jogadores de maior potencial no Manchester City e era elogiado por Pep Guardiola. O problema? Ele não via chance de subir ao time principal e jogar. Por € 7,8 milhões, ele trocou Manchester por Dortmund, recebeu a camisa 7 e a promessa de jogar mais. Ou, ao menos, de jogar, porque nem no time principal do Manchester City o jogador estava.

Na sua primeira tempora, alternou entre o time de base e o time principal. Fez 12 jogos na Bundesliga, com um gol e quatro assistências. Terminou o ano não só no time principal, mas jogando como titular. Nesta temporada, 2018/19, já são 27 jogos, sete gols e 12 assistências até aqui, contando todas as competições. Ele também deu uma assistência pela seleção inglesa, em Wembley, em jogo contra os Estados Unidos, em seu primeiro jogo como titular.

“Todo mundo diz que eu explodi em 2018 e, honestamente, é o que eu sinto”, afirmou Sancho em entrevista à revista Four Four Two. “Foi o melhor ano da minha vida. Se você me dissesse que eu estaria falando com você hoje, eu pensaria que você estava louco”, disse ainda o jogador campeão do mundo sub-17 com a seleção inglesa em 2017.

Sancho poderia ter optado por permanecer na Inglaterra. Arsenal e Tottenham tinham interesse no jogador. Ele, porém, achava que a ida ao Dortmund compensava mais. A razão é simples, mas merece atenção dos clubes. “Por que o Dortmund? Isso fala por si: jovens ganham oportunidades”, explicou. “Eu tenho que agradecer o Dortmund, porque é algo que não se vê um time que recebe 80 mil torcedores em todos os jogos em casa que confie em tantos jovens”, disse. “Foi uma loucura quantos clubes me quiseram, isso me mostra que você está fazendo bem, mas eu sempre senti que o Dortmund era o certo para mim”.

“É claro que era um grande risco. Eu não tinha tempo em campo garantido e eu tinha que provar que era bom o bastante para estar no time. Algumas pessoas não tinham certeza quando eu falei sobre o Dortmund, mas senti que era a melhor jornada para mim. Apenas tente, sabe? Eu gosto de tentar coisas novas, então isso não me assustou. Alguns me perguntaram: ‘E se não der certo?’, mas eu nunca pensei nisso. E olha como funcinou agora…”.